Rádio Observador

Segurança Social

Recibos verdes: último dia para mudar de escalão

Os trabalhadores independentes têm até hoje para voltar a pedir à Segurança Social a alteração de escalão que lhes foi atribuído, sendo que, até meio de janeiro, mais de 34.000 já o tinham feito.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os trabalhadores independentes têm até hoje para voltar a pedir ao Instituto de Segurança Social (ISS) a alteração de escalão que lhes foi atribuído, sendo que, até meados de janeiro, mais de 34.000 ‘recibos verdes’ já o tinham feito.

Segundo o ‘site’ da Segurança Social, termina hoje o prazo para que os trabalhadores independentes, os chamados ‘recibos verdes’, que “foram notificados da fixação anual da base de incidência contributiva, possam voltar a pedir a alteração do escalão, tendo como referência o escalão fixado em outubro do ano passado”.

Com o Orçamento do Estado para 2014, recorda o ISS, os trabalhadores independentes podem “solicitar em fevereiro e em junho a alteração de escalão em que foram posicionados de forma oficiosa, adequando assim o valor das suas contribuições ao valor dos seus rendimentos atuais”, lê-se na página oficial na Internet.

Também os trabalhadores independentes que tenham reiniciado a atividade a partir de novembro “podem solicitar a alteração de escalão, tendo como referência o escalão fixado no reinício dessa atividade”.

Os pedidos devem ser efetuados através da Segurança Social Direta ou nos serviços de atendimento da Segurança social e, caso seja dada autorização para alteração da contribuição, ela produz efeitos a partir de 01 de março (domingo).

Em dezembro, os trabalhadores independentes foram notificados do escalão contributivo em que seriam reposicionados a partir daí, tendo a Segurança Social dado primeiro dez dias úteis — e estendido depois o prazo para 15 de janeiro – para pedidos de alteração.

Segundo dados divulgados pelo ISS à agência Lusa em meados de janeiro, mais de 34.000 trabalhadores independentes pediram a alteração do escalão, sendo que três em cada quatro requerentes conseguiram autorização para baixar a sua contribuição.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Segurança Social

A dívida implícita de Portugal

José Marques

Nos últimos 40 anos, período no qual se deu a maioria da acumulação desta dívida implícita, houve uma acumulação média, silenciosa, de dívida equivalente a mais de 10% do PIB por ano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)