Educação

Alunos de Cuba que trocaram livros por ‘tablet’ têm mais motivação e melhores notas

1.102

Alunos da escola básica de Cuba, no Alentejo, que trocaram os tradicionais livros escolares em papel por manuais eletrónicos incluídos num ´tablet`, aumentaram a motivação nas aulas e melhoraram notas

Numa aula de matemática de uma das duas turmas abrangidas por este projeto pioneiro, a atenção dos alunos, do 8.º ano, divide-se entre a professora, o quadro interativo e o ´tablet`, a nova ferramenta que já se tornou “indispensável”. Entre exercícios de matemática, um dos alunos, António Cardeira, de 15 anos, conta à agência Lusa que já não imagina as aulas e a vida sem o ´tablet`, graças ao qual está mais empenhado nos estudos e melhorou as notas de algumas disciplinas.

Segundo os resultados da avaliação do primeiro ano do projeto, os alunos têm tido “uma motivação superior” nos estudos e “melhorias” nas notas, o que “não teriam se não estivessem no projeto”, explica o diretor do Agrupamento de Escolas de Cuba, Germano Bagão.

O projeto ManEEle – Manuais Escolares Eletrónicos, promovido pelos serviços regionais do Alentejo do Ministério da Educação, em parceria com várias entidades, como a Fujitsu, a Porto Editora e a Microsoft, abrange 42 alunos e 17 professores da Escola Básica Fialho de Almeida, na vila de Cuba, no distrito de Beja. O ManEEle, que acompanha os alunos ao longo do 3.º ciclo do Ensino Básico, arrancou no ano letivo de 2013/2014, quando começaram o 7.º ano, e terminará no ano letivo de 2015/2016, quando acabarem o 9.º ano.

As duas turmas foram escolhidas devido ao “historial dos alunos”, que eram “um pouco desmotivados para o processo de ensino-aprendizagem”, as notas “não eram as desejadas” e parecia ter “mais dificuldades em fazer o percurso regular do Ensino Básico”, explica o diretor. “Optámos pela solução mais difícil” e “só avançamos com este projeto porque acreditamos piamente que esta ferramenta pode ajudar os nossos alunos a fazerem o seu percurso escolar com sucesso”, frisa.

Através do projeto, que visa testar o uso de manuais escolares eletrónicos nas aulas, os alunos estudam com ´tablet`, onde têm conteúdos da plataforma Escola Virtual da Porto Editora, como manuais escolares digitais, e acedem à Internet. “Podemos pesquisar coisas que não temos nos manuais, ver imagens, é muito mais fácil pesquisar no ´tablet` do que nos livros”, frisa António.

A aluna Rita Rosado, de 13 anos, conta que gosta “mais” de estudar através do ´tablet`, porque “é mais incentivante fazer os trabalhos pela Escola Virtual, e pode-se pesquisar na Internet e os livros são interativos”.

Enquanto os alunos fazem exercícios, a professora de matemática e diretora das duas turmas, Rosário Alves, faz um balanço “bastante positivo” do projeto. “Tem sido uma mais-valia enorme” ao nível dos recursos que os alunos têm usado através do ´tablet`”, frisa, referindo que graças ao projeto os alunos conseguiram notas “um bocadinho melhores”. “Os pais também ficaram muito satisfeitos, porque, como é um projeto, não pagam rigorosamente nada dos manuais digitais e têm essa economia nestes tempos de crise”, frisa Germano Bagão.

Segundo Rosário Alves, através do ´tablet`, os alunos começaram por usar os manuais digitais e, aos poucos, a recorrer ao dicionário, a pesquisar na Internet e a consultar o correio eletrónico. Agora até já usam outros recursos, como um bloco de notas digital, onde guardam apontamentos multimédia das aulas e dos manuais digitais “sem terem de recorrer tanto ao caderno” em papel, explica a professora.

“Vantagens vejo muitas, desvantagens não as encontro”, porque “aquilo que precisava era exatamente os recursos que eles têm com a utilização do ´tablet`”, diz a professora de física e química, Cristina Barata. Com as duas turmas é possível “alcançar um resultado muito mais positivo”, porque os alunos têm os recursos do ´tablet` “à mão, em casa e na escola”, frisa Cristina Barata, referindo que o “sucesso” dos alunos “seria talvez mais baixo” sem o ´tablet`.

Por isso, António, que nunca tinha usado um ´tablet` antes do projeto e já não imagina aulas com livros tradicionais, defende: “Todos os alunos deviam ter esta oportunidade”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

O regresso do «eduquês»: uma resposta

José Pacheco

É longo o cortejo de alarvidades debitadas na comunicação social por pessoas para quem as ciências da educação ainda são ciências ocultas. Arrogam-se o direito de dizer tolices sobre o que não entendem

Contratos de Associação

O fim de um princípio

Ana Rita Bessa
1.178

Diminui o número das escolas com contratos de associação, mas há mais alunos no ensino privado. O que sugere que tais colégios perderam a diversidade, tendo saído, sem escolha, os que não podiam pagar

caderno de apontamentos

Educar para o futuro /premium

Eduardo Marçal Grilo
716

Os jovens portugueses nada devem temer na sua comparação com os de países mais avançados tecnologicamente, mas para poderem “voar” têm que ganhar mundo, ser pró-ativos e não ter medo do futuro.

Exames Nacionais

Mensagem sem Pessoa 

Beatriz Gomes Artilheiro

Sim, o exame teve Pessoa, mais Saramago e Ricardo Reis. Mas não inclui Eça de Queiroz. Crónica de uma aluna enquanto estudava para o exame de hoje de Português do 12º ano. "Valete, fratres". 

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)