Rádio Observador

Taça de Portugal

Choupana, a terra do ping-pong jogado com os pés. Sporting e Nacional empatam (2-2)

Num duelo que até teve dois gémeos na mesma faixa de rodagem, Sporting e Nacional atacaram e contra-atacaram sem parar. Luís Aurélio, Tobias, João Lucas e Carlos Mané deram forma ao empate (2-2)

LUSA

Autor
  • Hugo Tavares da Silva

Vasili e Aleksei Berezutski, Guillermo e Gustavo Barros Schelotto, Cristian e Damiano Zenoni, Andreas e Thomas Ravelli, Rafael e Fabio Pereira da Silva. Estas são apenas algumas das mais famosas duplas de irmãos gémeos que o futebol viu nascer. Os mais famosos serão Frank e Ronald de Boer, que espalharam tanta e tanta magia no Ajax, Barcelona e Holanda. Um atuava do lado esquerdo do centro da defesa, outro situava-se do meio-campo para a frente, na direita. O mesmo fenómeno acontece agora no Funchal, na Choupana, desde janeiro. Luís juntou-se a João para dar uns pontapés na bola, como certamente faziam nas ruas empoeiradas de Beja. E um deles marcou esta noite ao Sporting. Madeirenses e lisboetas empataram a duas bolas na primeira mão da meia-final da Taça de Portugal.

A primeira parte foi uma beleza. Não tanto no futebol requintado, com 22 homens a tratar a bola como se fosse uma princesa vinda do além. Não, mas foi interessante pela quantidade de jogadas de perigo. O Sporting liderou o primeiro tempo na posse de bola (61%), nos remates (6-5) e cantos (7-1), mas foram os madeirenses quem estiveram mais perto de marcar, cortesia de Tiago Rodrigues, que chutou com uma senhora pujança ao poste esquerdo de Rui Patrício.

O Nacional ameaçou cedo. Aos 3′, João Aurélio sacou o cruzamento e, ao segundo poste, Lucas João e Marco Matias complicaram a vida um ao outro e falharam o primeiro golo da noite. A resposta chegou cinco minutos depois, por William Carvalho, que falhou ao segundo poste o que parecia certo. O desvio de Carrillo a canto de André Martins teve toque de mel e promessa de glória. Num ping-pong desenfreado, um minuto depois foi Luís Aurélio, de cabeça, que fez a bola passar a centímetros do poste da baliza dos leões.

Gottardi, que mais tarde contribuiria para a taquicardia de muito boa gente ao deixar uma bola bater e passar por cima da trave, negaria o golo a Tanaka (24′) e Paulo Oliveira (25′). Este foram 25 minutos de loucos. Oportunidades, velocidade, ousadia, tudo no mesmo tacho com especiarias mil. Mas alguém colocaria o fogo em lume brando, e a coisa acalmaria.

Intervalo na Choupana. Chega a surpreender como é que esta primeira parte chega ao fim sem golos. A ginga, a entrega e a disposição das tropas prometiam um festival, qual jogo de andebol, mas culminou num cinzento 0-0. Entre muitas preocupações para Marco Silva, que iam desde a situação no campeonato à eliminação da Liga Europa, passando até na ausência de Nani, o treinador tem mais um dado para analisar e esmiuçar: o Sporting não marca golos na primeira parte há seis jogos. Seis. É dose, senhores…

O segundo tempo começou da mesma forma que a primeira: Nacional a assustar os visitantes, com mais um remate de Tiago Rodrigues, um médio emprestado pelo FC Porto. E, tal como acontecera antes, o Sporting reagiu, por Carrillo. Mas o “senhor Golo”, o cavalheiro mais desejado por esses campos esverdeados, chegaria aos 49′: Tiago Rodrigues bateu o livre, Rui Patrício tentou agarrar, mas a bola escorregou e… Luís Aurélio, um dos gémeos, encostou para a baliza deserta. Já o irmão, João, havia feito a mesma brincadeira, em 2009/10 (marcar ao SCP).

Há histórias e histórias. Em House of Cards, por exemplo, a tal ascensão meteórica de Frank Underwook até à presidência dos EUA, com jornalistas e senadores “despachados” pelo caminho, a surpresa é o prato do dia. Somos surpreendidos, o queixo cai, a imaginação passeia até ao infinito, as duvidas palpitam em qualquer mente. Neste Nacional-Sporting não, a lengalenga do ping-pong era para levar a sério, ó se era. Ao golo de Luís Aurélio juntou-se o empate por Tobias Figueiredo, apenas cinco minutos depois. O central impôs-se a Rui Correia e Aly Ghazal e encostou para a baliza do impotente Gottardi, 1-1.

Quatros minutos volvidos… ping! Pois, mais um golo, agora do Nacional. Marçal cruzou, da esquerda, com o pé direito; Lucas João, com mais de 190cm, disse “sim senhor” e promoveu um abraço caloroso entre a bola e as redes da baliza de Rui Patrício. O pong chegou logo a seguir pelo felino Slimani, que viu o empate negado por Gottardi.

Seguir-se-iam muitas substituições e a expulsão de Miguel Lopes, que ficaria fora de si, gritando na direção do árbitro e de Tiago Rodrigues, a quem acusaria de mergulhar. Seriam 20 minutos com dez contra um Nacional competente, mas nem por isso impermeável.

E como ao longo deste texto fomos inimigos da imprevisibilidade, gritando as maravilhas de um narrativa como House of Cards e deixando antever uma resposta obrigatória a qualquer ação, falta confirmar o que o guião prometia: o Sporting empataria. Aconteceu aos 82′, por Carlos Mané. O extremo, que começou mexido, que driblou muito e perdeu algumas bolas, recebeu de Adrien e tocou, em arco, para o fundo da baliza de Gottardi, que bem se esticou, mas a bola tinha o destino traçado, 2-2.

Ponto final na Choupana. O empate a duas bolas acaba por ser justo e sorri ao Sporting, graças aos golos fora. Mas houve pouco controlo, pouca competência na defesa, ineficácia na pressão no meio-campo e ferrugem nas combinações no ataque. Faltou muita coisa. Faltou golo, pedalada, faltou entrosamento e até confiança. É natural. É que este Sporting só ganhou um dos últimos sete jogos — Benfica (1-1), Belenenses (1-1), Wolfsburgo (0-0), Gil Vicente (2-0), Wolfsburgo (0-0), FC Porto (0-3), Nacional (2-2). Segue-se agora o Penafiel, em casa, para a Liga, para começar a inverter a história do passado recente. A segunda mão da Taça joga-se a 8 de abril. Há muito para mudar até lá…

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)