Passou um ano desde o desaparecimento do avião da Malaysia Airlines. O mistério do MH370, que seguia em direção a Pequim, permanece sem solução. Com ele desapareceram 239 pessoas. Continuam sem rasto. “Grande parte do mundo sentiu-se de alguma forma tocado por este acontecimento”, disse Alisa Hathaway, especialista em trauma, ao Business Insider. As teorias sobre o que aconteceu ao avião são muitas e partem de diversas análises. O Huffington Post avança com umas e a BBC completa com outras. Eis algumas das explicações para o mistério:

Há quem arrisque a localização do avião. Simon Hardy, piloto britânico, investigou os dados de vários voos durante seis meses. Usou uma técnica matemática para calcular o sítio exato onde está o MH370. Conclusão: está a 100 milhas náuticas da área onde decorrem as buscas do Australian Transport Safety Board (ATSB), ou seja, algures no Oceano Índico.

Malcolm Brenner, especialista em aviação, acredita que o avião terá sido desviado para a Antártida. Brenner diz que analisou dados de satélite do Boeing 777, que mostram várias mudanças de trajetória que foram feitas por humanos. O percurso terá terminado na ida para a gelada Antártida.

Suicídio do piloto. Esta é a tese de Ewan Wilson, a autora do livro “Good Night Malaysian 370: The Truth Behind The Loss of Flight 370” (Boa noite Malaysian 370: a verdade por detrás da perda do voo 370). Ewan acredita que o comandante do voo sofria de “problemas mentais” e terá despressurizado a cabine, fazendo com que os passageiros e a tripulação perdessem a consciência antes de o avião cair no mar.

Há quem aponte responsáveis diretos. Marc Dugain, ex-chefe da francesa Proteus Airline, considera que os EUA tomaram posse dos controlos do avião e o abateram. Dugain diz que falou com residentes das Maldivas, que referiram ter visto “listas vermelhas e azuis com um fundo branco” num avião, no dia em que o MH370 desapareceu.