No vídeo que o Estado Islâmico divulgou na terça-feira à noite, aparece uma criança (que não deve ter mais do que 12 anos, segundo a imprensa internacional), a matar um israelita árabe, que confessa ser um espião da agência de inteligência israelita Mossad, de acordo com a Fox News.

O vídeo foi lançado na rede social Twitter e mostra um homem, identificado pela família como sendo Muhammad Said Ismail Musallam, de 19 anos, que confessa ter sido recrutado pela agência israelita Mossad. Diz a Fox News, que o jovem chegou a revelar, no vídeo, quanto é que ganhava por trabalhar para a agência.

Mussallam diz também que foi “apanhado” pelo Estado Islâmico porque começou a comportar-se de uma maneira que “não era habitual”. No mês passado, o Estado Islâmico anunciou ter capturado um espião israelita e crê-se agora que seja Mussallam, que também deu uma entrevista à revista que o Estado Islâmico disponibiliza online, a Dabiq.

https://www.youtube.com/watch?v=s69KRDNwG7c

Na entrevista, o alegado espião diz que entrou para a Mossad através de um vizinho judeu, que já tinha trabalhado como agente da polícia e que o objetivo era infiltrar-se no Estado Islâmico para obter informações sobre a localização de armas, bases de combate e o nome dos palestinianos que se tinham juntado à organização terrorista.

Contudo, o pai do jovem já veio dizer que o filho não era nenhum espião e que se tinha juntado ao Estado Islâmico por vontade própria há alguns meses. Alguns especialistas avançaram com a ideia de que Mussallam pode ter tentado escapar do grupo e que tinha sido executado por castigo.

Quase no final do vídeo, aparece um homem a falar, em francês, para ameaçar os judeus em França. Antes de ser executado, o jovem grita “Allahu Akbar” (Deus é grande).