Gwyneth Paltrow aceitou o desafio de gastar um máximo de 29 dólares (27 euros) em comida durante uma semana. A ideia — a léguas do seu habitual estilo de vida — era participar numa campanha de sensibilização contra a fome, organizada pelo Banco Alimentar de Nova Iorque. Pretendia-se ilustrar o quão difícil é viver com esse montante, a quota em senhas de alimentação que o governo dos Estados Unidos atribui a pessoas com baixos rendimentos — estima-se que 1,7 milhões de nova-iorquinos vivam nestas condições.

A mesma atriz que em tempos aconselhou as mulheres a vaporizar a vagina submeteu-se ao desafio cheia de boas intenções — que visa pressionar o congresso norte-americano a repensar os cortes previstos para as referidas senhas de alimentação, conhecidas como SNAP –, mas não teve muita sorte. Paltrow foi às compras com 29 dólares e publicou uma fotografia no Twitter com as mercearias adquiridas: uma dúzia de ovos, um pacote de feijão preto, arroz, couves, ervilhas, uma cebola, um tomate, alho, tortilhas, chili, alface, milho, uma batata-doce, cebolinho, coentros e sete limas.

As escolhas limitadas, com legumes e pouco mais, geraram muitas dúvidas. Por isso não é difícil adivinhar a reação dos muitos seguidores da artista na rede social, que se mostraram revoltados com as escolhas de Paltrow, tidas como imprudentes ou pouco realistas tendo em conta as pessoas que vivem com um orçamento limitado. Houve mesmo quem considerasse esta tentativa como uma atitude condescendente, acrescenta o britânico Independent.

https://twitter.com/oclegend/status/587460180608028673

https://twitter.com/chelsea_elisa/status/587074691145281536

Mas não foram só os utilizadores do Twitter que se mostraram revoltados com o sucedido. Também a Time escreveu um artigo, assinado por Darlena Cunha, onde acusa a loira de Hollywood de estar a fazer “turismo de pobreza” (poverty tourism, em inglês): “É turismo de pobreza, pura e simplesmente, e precisa de parar”. “Paltrow está a escolher comer como se ela fosse dependente dos SNAP durante uma semana. Mas isto da pobreza é que as pessoas não a escolhem. Não há nada sobre a pobreza que uma semana possa ensinar a qualquer pessoa que tenha uma rede de segurança. É um jogo”, argumenta a autora.

https://twitter.com/thezordaj/status/586974347333476353

O Daily Telegraph australiano fala sobre as críticas que a atriz está a receber. As compras por ela efetuadas parecem representar qualquer coisa como 1000 calorias, o que não seria suficiente para alimentar pessoas com trabalhos físicos e/ou com crianças para suportar, além de que as frutas e os vegetais frescos correm o risco de ser algo dispendiosos. Ainda assim, a publicação não descura a boa intenção de Paltrow. Já o Sydney Morning Herald aborda o ridículo das escolhas daquela que é vista por muitos como uma lifestyle guru, mentora do projeto online Goop.