Companhia Nacional de Bailado

Bailarinos da Companhia Nacional de Bailado anunciam greve para julho

1.242

Os bailarinos da Companhia Nacional de Bailado entregaram um pré-aviso de greve para julho em protesto contra um projeto de lei sobre as carreiras e o estatuto destes profissionais.

Manuel Moura/LUSA

Os bailarinos da Companhia Nacional de Bailado (CNB) entregaram um pré-aviso de greve para julho em protesto contra um projeto de lei sobre as carreiras e o estatuto destes profissionais, revelou o sindicato CENA.

De acordo com o CENA – Sindicato dos Músicos, dos Trabalhadores do Espectáculo e do Audiovisual, a greve dos bailarinos deverá afetar os espetáculos da CNB de julho, agendados para Almada e Lisboa.

A razão da greve centra-se num projecto-lei do Governo que “mais do que se preocupar com a carreira dos bailarinos do bailado clássico e contemporâneo, procura encontrar formas, mais ou menos, explícitas de pôr termo, prematuramente, às suas carreiras”, lê-se na nota de imprensa.

“O diploma não corresponde de modo algum ao prometido Estatuto do Bailarino da CNB”, sustentam os bailarinos da companhia, alertando que acaba com os atuais vínculos laborais e não acautela as especificidades profissionais decorrentes do desgaste físico.

Os bailarinos lamentam ainda a falta de diálogo com a tutela, “tendo havido apenas duas reuniões nos últimos dois meses”, e exigem a “abertura de um processo participado de elaboração de um verdadeiro Estatuto”, que é exigido por estes profissionais há mais de uma década.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Crónica

Partir A. Ventura /premium

José Diogo Quintela
123

Ventura quer mudar o sistema por dentro. É uma espécie de supositório humano: faz-se introduzir no organismo para depois exercer a sua influência. Ei-lo metade glicerina, metade convicção ideológica.

Cinema

Amigos improváveis e a solidão dos revolucionários

António Pimenta de Brito

O filme “Greenbook” é um hino a uma liberdade que pode fazer tudo, uma liberdade que, mesmo com condicionantes, não desiste das suas possibilidades, na busca pela felicidade, dignidade e amor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)