O ex-atleta Bruce Jenner recentemente metamorfoseado em Caitlyn Jenner trouxe o tema da transsexualidade para o centro da discussão e poderá ter contribuído para dar visibilidade e glamour à questão. Porém, Jenner é tão somente a face mais recente de uma revolução que está a acontecer nos subterrâneos da cultura ocidental: a progressiva fluidez entre os géneros e as identidades sexuais. Estarão as fronteiras entre homem e mulher a desaparecer para sempre? Estamos à beira de um futuro onde, com a evolução da ciência, da medicina e da tecnologia, seremos todos transgénero?

Eros, o Deus dos Deuses, era ao mesmo tempo masculino e feminino, portanto a plasticidade das fronteiras do corpo é algo que sempre inquietou o Humano. Porém, essas fronteiras foram estabilizadas ao longo do tempo e deu-se como certo que cada um era a forma que a natureza lhe dava… Mas este século XXI obcecado pelo corpo e pelas suas possibilidades de transformação vem afirmar uma nova revolução: não somos a forma que a natureza nos dá, somos a forma que nós damos à natureza.

Capa da revista Time

Capa da revista Time de maio de 2014

No mundo da moda, onde as manifestações destas transformações culturais tendem a manifestar-se mais cedo, há sete rostos que se afirmam nas passerelles e nos editoriais de moda, desfilando como homens ou mulheres, assumindo um corpo sem género e afirmando novos padrões de beleza que já não passam pelo estilo macho alfa ou fêmea alfa. As linhas da beleza são agora híbridas, andróginas.

1. Andreja Pejic

É uma das musas da moda e do Instagram e uma das bandeiras do “no gender is beautiful”.Tem 23 anos, é servo-croata mas cresceu em Melbourne, na Austrália, para onde a família fugiu durante a guerra nos Balcãs, nos anos 90. Começou por desfilar apenas coleções masculinas mas recusou-se sempre a assumir apenas um género ou mesmo a dizer a que género sexual pertencia. Passou a desfilar também roupa feminina e tornou-se um dos rostos mais rentáveis da indústria da moda. Desfilou criações de Jean Paul Gaultier, Raf Simons e Marc Jacobs, mas também coleções de vestidos de noiva na semana da moda de Barcelona. Em 2011 foi capa da revista Out e a edição americana da FHM incluiu-a na lista das 100 mulheres mais sexys do mundo e, simultaneamente, na lista dos 50 homens com a mesma distinção.

Andrejia Pejic num editrial da Vogue Brasil

Andreja Pejic  num editorial da Vogue Brasil fotografado por Mário Testino (Todas as imagens foram retiradas do Instagram ou Tumblr das modelos).

2. Arisce Wanzer

Com 26 anos, nasceu rapaz na Virgínia do Norte, EUA, e não mudou de sexo apesar de ter colocado implantes mamários. A sua carreira de modelo tem sido feita na indústria da roupa feminina e recentemente teve um fogo cruzado sobre a sua cabeça (e para muitos sobre a sua carreira) ao escrever uma carta aberta a Caitlyn Jenner onde a acusava de ser uma vedeta efémera que mudou de sexo como se fosse uma menina entediada em busca de uma nova excitação.

Arisce, que também se assume como transgénero, preferiu investir num look andrógino. O facto de ser afro-americana colocou-lhe também outros desafios identitários. A modelo cultiva ainda um certo ar travesti porque gosta de transpor todas essas fronteiras.

Arisce  Wazer

Arisce Wazer, americana, 26 anos e modelo transgénero. 

3. Ines Loan-Rau

Parisiense de 24 anos, já posou para a Playboy e para um livro de fotografia da revista Oyster simbolizando a evolução humana rumo ao transgénero. Ines mudou de sexo entre os 16 e os 18 anos mas explica que tem a possibilidade de existir e experimentar, em simultâneo, os dois géneros. O seu corpo muito magro e andrógino já causou inquietações até no Instagram, onde as suas fotos lhe valeram ter tido a conta cancelada por três vezes.

A modelo francesa Ines Loan-Rau

A modelo francesa Ines Loan-Rau.

4. Geena Rocero

De origem filipina, 32 anos, mais do que modelo transgénero é uma advogada e fundadora da organização Gender Proud. Começou a trabalhar como modelo de lingerie e roupa de praia até integrar a famosa agência de modelos Next. Só muito recentemente é que Geena assumiu publicamente ser uma modelo transgénero e portanto parte da sua carreira foi feita na moda feminina. O caso de Rocero mostra que a complexidade das formas físicas é tanta que muitas modelos podem trabalhar na indústria da moda sem necessariamente fazerem cirurgias para mudar de sexo.

Modelo transgénero de origem filipina

Geena Roncero, modelo de origem filipina

5. Lea T

Atualmente com 34 anos, nasceu Leandro Medeiros Cerezo. Filha de um jogador de futebol da seleção brasileira, Toninho Cerezo, foi descoberta por uma agência de modelos em Milão, onde estudava, e acabou por se tornar uma das musas da marca francesa Givenchy. Foi também capa da revista Love numa cena erótica com a modelo Kate Moss. Hoje é o rosto da mais recente campanha da marca Benetton e Redken. A revista Forbes nomeou-a como uma das mulheres que transformaram a moda em Itália. Oriunda de uma família conservadora, Lea só recentemente realizou a mudança de sexo e prepara-se para se estrear na telenovelas brasileiras.

Modelo transsexual brasileira Lea T.

Modelo transsexual brasileira Lea T. atual rosto da Benetton e da Redken.

6. Hari Nef

Performer, escritora e atriz, aos 24 anos é considerada a líder da revolução transsexual e é um dos rostos mais andróginos da moda atual. Num tempo de transposição de limites, a modelo, nascida no Massachusetts, EUA, estreou-se apenas em 2014 e causou sensação na semana da Moda de Nova Iorque quando desfilou para marcas como a Hood by Air e a Eckhaus Latta. Graduada em Estudos Teatrais pela Universidade de Columbia, Hari escreve regularmente para a revista Dazed & Confused. A modelo assinou contrato com a agência IMG, a mesma de Gisele Bündchen.

Modelo transgénero Hari Nef, 24 anos

Modelo e atriz transgénero Hari Nef, 24 anos, norte-americana.

7. Valentijn de Hingh

A história de Valentijn, modelo holandesa transgénero, começa na infância ao participar, aos oito anos de idade, num documentário sobre crianças que queriam ter outro corpo. O seu caso acabou por ser acompanhado durante quase dez anos pela cineasta Hetty Niesch, que filmou as transformações interiores e exteriores pelas quais a modelo passou até aos 17 anos. Valentijn já desfilou para a Maison Martin Margiela e Comme des Garçons, e fez editoriais para a Vogue e a Love. Hoje tem 25 anos, vive em Amesterdão, e o seu rosto não retocado cirurgicamente faz inveja a muitas mulheres.

Valentijn de Hingh, modelo transgénero holandesa de 25 anos

Valentijn de Hingh, modelo transgénero holandesa de 25 anos.