Há muitas playlists que o deixam feliz. Mas a ciência veio dizer que existe uma música que é, de facto, a mais feliz da história.

E a música mais feliz é… a Don’t Stop Me Now, dos Queen, dos anos 70. Quem o diz é um estudo dos britânicos da indústria eletrónica, Alba, que realizaram um inquérito junto de 2.000 pessoas no Reino Unido. A ideia era que de entre várias canções escolhessem as suas músicas favoritas, aquelas que lhes provocassem sentimentos de felicidade.

A música dos Queen foi apontada mais vezes e isso pode ser explicado pelo ritmo da canção, segundo o neurocientista Jacob Jolij, que analisou os resultados. “A análise confirmou o que a literatura já nos havia ensinado: as canções compostas por um maior ritmo são as mais eficazes na hora de produzir emoções positivas”, esclareceu Jacob Jolij ao The Huffington Post.

“Praticamente todas as canções mais felizes têm um ritmo superior em 10 pulsações por minuto ao de uma canção pop standard”, acrescentou o especialista. A canções “Dancing Queen” dos Abba e “Good Vibrations” dos Beach Boys também conseguiram boas pontuações.

Apesar desta eleição, a felicidade que uma música provoca dependerá sempre de uma avaliação pessoal, que é subjetiva. Por isso é que serão imensas as músicas felizes para uns e não tanto para outros. As associações positivas que desenvolvemos é que vão definir se determinada canção nos faz ou não sentir bem.

“Embora não seja possível identificar uma música como aquela que transmite melhor sensação, o que podemos fazer é identificar características específicas de canções que elevam o espírito das pessoas”, disse Jolij. “Quanto mais dados tivermos disponíveis, mais podemos aprender sobre como a música afeta o nosso humor”, acrescenta.

Mesmo que não seja a melhor para si, não deixe de ouvir a música intemporal dos Queen, que aqui lhe deixamos.