Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Desde o lançamento do modelo 4s em 2011, que o final do verão é marcado por um dos lançamentos tecnológicos mais esperados do ano: o novo iPhone. Em 2016 será a vez do iPhone 7, mas os especialistas já começaram a dar palpites sobre o que se espera (ou sobre o que eles esperam) que venha a ser o novo modelo da Apple.

Além da altura previsível de lançamento (setembro ou outubro), é quase certo que o iPhone 7 venha a ser esteticamente diferente dos últimos modelos 6 e 6s — os modelos “s” são versões melhoradas das anteriores, praticamente idênticas no aspecto exterior mas com melhor câmara, processador e demais componentes. É também quase certo que estará disponível em (pelo menos) duas versões, provavelmente de 4.7 e 5.5 polegadas e que incluirá o novo iOS 10 — que se espera que seja lançado em meados do próximo ano, à semelhança do que a Apple faz anualmente.

iphone7 sem entrada

Imagem conceptual, não oficial, do que poderá ser o iPhone 7 (Federico Ciccarese)

Mais fino, sem entrada de auriculares

A Business Insider reuniu os principais rumores e, desde logo, destacamos este: o iPhone 7 deverá ser mais fino. Estamos a falar de uma espessura entre 6 e 6.5 milímetros — aproximadamente menos um milímetro do que o 6 e 6s. Como vai ser isso possível? Para começar — e já aqui explicámos isto — a Apple parece estar a planear remover a entrada de auscultadores dos telemóveis. Ou seja, os utilizadores passarão a poder usar apenas auscultadores compatíveis com Bluetooth ou com a porta USB do aparelho.

Com mais bateria

Em resposta aos pedidos de inúmeros utilizadores, a Apple deverá ainda incluir uma melhor bateria no iPhone 7. A informação está a ser avançada por alguns especialistas, que destacam que a autonomia tem sido o calcanhar de Aquiles do telemóvel. Segundo o analista Gene Munster, a tendência aparenta mesmo ser essa: observando a evolução dos computadores Mac (fabricados pela Apple) ao longo dos últimos anos, a autonomia “quase que foi duplicada” de, aproximadamente, cinco para dez horas. “[A Apple] conseguiu isto através de processadores e software mais eficientes”, explica o analista da casa de investimento Piper Jaffray.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Novos processadores

E por falar em processadores, sabia que os do iPhone 7 podem estar a ser fabricados pela Intel? Em outubro deste ano a VentureBeat escrevia que a fabricante norte-americana teria cerca de mil pessoas a trabalhar num novo chip para telemóveis Apple. Contudo, na altura, o site não confirmava que a Apple tivesse assinado qualquer contrato com a Intel, mas que o faria se esta continuasse a bater os objetivos do projeto.

Ecrã mais resistente

Deverá ainda haver novidades para os mais desastrados. O ecrã do iPhone 7 poderá ser protegido com safira, como já acontece com alguns modelos do Apple Watch. Por outras palavras, será menos provável que o ecrã do novo iPhone se estilhace quando o aparelho cair no chão. De acordo com a Business Insider, a Apple está também a estudar a evolução dos ecrãs LED para a tecnologia OLED, que aumenta significativamente a qualidade do display. Mas é possível que essa novidade esteja guardada para 2018 — sim, para um eventual iPhone 8.

Sem botão central

Por fim, um outro rumor — suportado pelo analista Gene Munster — aponta para um iPhone 7 sem o botão home. A ser verdade (Munster aponta para 50 por cento de probabilidade de isto acontecer), a Apple terá de encontrar um sítio alternativo onde colocar o leitor de impressões digitais (TouchID), até agora embutido nesse mesmo botão.