FIFA

Maradona e os “dois ladrões” da FIFA

Jornalista encontrou-se com Maradona no Dubai e publicou esta fotografia no Instagram: o Diez, sorridente, mostra uma t-shirt com a cara de Joseph Blatter e Michel Platini mais a frase "dois ladrões".

Génio com a canhota, com uma mão maldita e atitude irreverente, assim é e foi Diego Maradona. O argentino sempre teve uma voz incomoda contra os poderes instalados, nomeadamente contra os dirigentes da FIFA. Desta vez, e após a suspensão por oito anos de Joseph Blatter e Michel Platini, o 10 imortal da Argentina apareceu com uma t-shirt com as caras dos ex-presidentes de FIFA e UEFA misturadas mais a frase “Dois ladrões”. Os indicadores do Diez estão a apontar para a camisola azul.

A imagem aparece na conta de Instagram de Daniel Arcucci, um jornalista argentino que se encontrou com Maradona no Dubai. Colada à fotografia aparece a frase: “Isto é o que lhes disse na cara há 25 anos”. Isto, leia-se a tal história de que ambos os dirigentes são ladrões. O post conta, até à data deste artigo, com 707 likes e quase 50 comentários. Embora pareça ter pouca expressão, esta publicação está a correr o mundo, tanto através dos jornais como das redes sociais.

Em setembro, Maradona disse a um canal televisivo de Nápoles que era irrelevante no futebol porque Blatter lhe fechou a porta. “Eu não sou um ladrão, ele é. (…) Blatter fez muito mal ao futebol e com Platini criou uma comédia. Fingem estar separados, um na FIFA e outro na UEFA, quando na realidade sempre estiveram ao lado um do outro”, acusou, em declarações citadas pelo El Comércio. E foi mais longe: “Blatter não fez mais do que ensinar Platini a roubar.” Nessa intervenção pública, o antigo jogador e ex-selecionador argentino anunciou que, caso o príncipe Alí da Jordânia vencesse a corrida à presidência da FIFA, ele seria o seu número dois.

Em maio, Maradona criticou o cenário favorável ao quinto mandato de Blatter, algo que julgava então impensável. “Não seria aceitável em nenhum país democrático, nem sequer seria aceite nas Nações Unidas ou na maioria das organizações internacionais de hoje”, escreveu no Daily Telegraph, aqui citado pelo ABC. “Mas por alguma razão está bem para a FIFA. Temos um ditador para toda a vida”, sentenciou. O homem que marcou um dos melhores golos de sempre de Campeonatos do Mundo (ou o melhor?), aquele em que virou do avesso quase toda a frota inglesa, enganou-se na previsão: Blatter está fora de jogo, acusado de corrupção. Por isso mesmo, Diez sorri na fotografia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)