Rádio Observador

Caso Bial

Um dos cinco voluntários de ensaio clínico da Bial que estavam internados já teve alta

Uma das cinco pessoas que se encontravam ainda hospitalizadas em França, depois de terem participado num ensaio clínico com uma droga da farmacêutica portuguesa Bial, recebeu alta.

ESTELA SILVA/LUSA

Uma das cinco pessoas que se encontravam ainda hospitalizadas em França, depois de terem participado num ensaio clínico com uma droga da farmacêutica portuguesa Bial, recebeu alta e regressou a casa, indicou nesta terça-feira a empresa.

O voluntário em causa, “que não apresentava quaisquer sintomas, já regressou a casa”, indicou a farmacêutica em comunicado, acrescentando ter a “indicação de que os exames médicos realizados” aos restantes quatro voluntários, que ainda estão internados, “apresentam um quadro positivo”.

Dois voluntários “já foram transferidos para hospitais das suas áreas de residência”, continuando internados outros dois no Hospital Universitário de Rennes. Um participante no ensaio clínico, na fase I, morreu no domingo, depois de declarada morte cerebral.

Ao todo, foram hospitalizados seis voluntários, que, segundo a agência noticiosa francesa AFP, receberam a dose mais elevada da molécula produzida pela Bial, testada em França pelo laboratório Biotrial. O ensaio clínico visava testar um novo medicamento para tratar perturbações do humor como a ansiedade. De acordo com o comunicado da Bial, o teste abrangeu 116 voluntários saudáveis, “dos quais 84 tomaram o composto experimental previamente, não tendo apresentado qualquer efeito secundário grave ou moderado”.

A farmacêutica adianta que a medicação foi suspensa “a todos os participantes no ensaio”, assim que tomou conhecimento de “um efeito adverso grave” num dos voluntários, a 11 de janeiro.

A Bial reitera que está a colaborar com as autoridades e entidades francesas para o apuramento das causas do incidente, assegurando que “não existe qualquer outro ensaio a decorrer com a molécula experimental” e que, até ao apuramento das causas, “não iniciará qualquer ensaio com este composto”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)