Estilo

Antes e depois: Justin Timberlake

4.098

De sapo a príncipe encantado, Justin Timberlake é a prova do que o estilo nem sempre é um dado adquirido. No domingo em que o cantor comemora 35 anos, decidimos rever a evolução dos seus looks.

Cantor, ator, dançarino e ícone de moda. Mas nem sempre foi assim. Justin Timberlake despertou para a fama quando ainda mal percebia as consequências da popularidade. Era uma criança com grandes sonhos que dava asas à imaginação da Disney em Mickey Mouse Club. Olhavam para ele e viam mais do que um rapaz de cabelo loiro e olhos azuis — viam uma estrela com potencial para conquistar a indústria musical. E assim foi. Da banda ‘N Sync ao primeiro álbum a solo, passaram sete anos. Timberlake ganhou o seu primeiro Grammy mas logo percebeu que o talento não chegava. O bom gosto é fundamental e recomenda-se.

Da mesma maneira que um bom vestido consegue transformar qualquer pessoa, também um conjunto em ganga — como o usado por Timberlake em 2001, ao lado da então namorada Britney Spears — consegue arruinar o mais promissor dos futuros. No armário guardava camisas descontraídas, t-shirts pragmáticas e ténis demasiado informais para pisarem passadeiras vermelhas de cerimónias e eventos de relevo internacional. “I’m bringing sexy back”, anunciou em 2006. Cumpriu a promessa com um fato de três peças em tons cinzentos. Fez desta a sua nova cor de eleição e conquistou, com sofisticação, o título de sex symbol.

Justin Timberlake passou a vestir nomes como Tom Ford, Givenchy e Louis Vuitton. Seguiram-se hits como “Suit & Tie” e “Mirrors”. Foi eleito um dos homens mais bem vestidos da sua geração. O expoente máximo da elegância chegou em 2008, na forma de laço em vez de gravata, e em 2011, quando trocou o preto pelo camel.

Em fotogaleria, comprove a evolução de estilo do cantor que, este domingo, celebra 35 anos. Como um conto de fadas, Justin Timberlake foi beijado pelas luzes do sucesso e transformou-se num belo príncipe encantado.

Editado por Ana Dias Ferreira.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Bioética

Eutanásia: ouvir os avisos da Holanda

Isabel Galriça Neto

Os factos e a realidade da Holanda estão à vista de quem os quiser ver, não podem ser ignorados, e suportam a inconveniência de fazer uma lei que permita a eutanásia na linha das propostas existentes.

Finanças Públicas

O esbulho fiscal

Luís Aguiar-Conraria

Se é verdade que a nossa carga fiscal está ligeiramente abaixo da média da União Europeia, também é verdade que o nosso esforço fiscal está muito acima da média. Está, por exemplo, 37% acima do alemão

Arrendamento

As casas a quem as trabalha

Maria João Marques

Não se percebe bem se é um grande amor socialista pela homeopatia – vamos lá provocar a escassez de casas para combater a escassez de casas – se é mesmo uma reforma agrária agora em versão urbana. 

Democracia

Não é cool ser contra o 25

Pedro Barros Ferreira

Na música parece ser impossível ser de Direita e gostar de Sérgio Godinho. Pois eu gosto. Parece impossível gostar da “Vida de Bryan” e ser católico. Pois eu sou e esse filme é um dos da minha vida. 

Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site