As cartas que o líder histórico da independência de Cabo Verde, Amílcar Cabral, escreveu durante mais de uma década àquela que seria a sua mulher foram reunidas num livro, que será lançado na Praia a 12 de fevereiro.

Cartas de Amílcar Cabral a Maria Helena: a outra face do homem, uma publicação da editora Rosa de Porcelana, reúne 53 cartas escritas por Amílcar Cabral a Maria Helena Vilhena Rodrigues, entre 1946 a 1960.

“São cartas íntimas para aquela que foi, respetivamente no tempo, colega de curso, namorada, esposa e companheira de luta. Cartas de amor e/ou cartas com amor, ao mesmo tempo que, em linhas ou nas entrelinhas, se inferem os tempos históricos e os lugares”, adianta a sinopse da obra.

Organizado pela filha de Amílcar Cabral, Iva Cabral, e pelos editores Márcia Souto e Filinto Elísio, o livro integra, além das cartas, fotografias, poemas e notas.

Conta ainda com textos do ex-presidente da República Pedro Pires, da professora Inocência Mata e do sociólogo Carlos Lopes.

“A leitura das cartas transmitiu-me o sentimento de como se estivéssemos numa sala de teatro com duas personagens, uma mulher e um homem que se amavam, que se confrontavam num diálogo intenso e rico, em que um e outro manifestavam as suas certezas de dúvidas, expunham as suas razões e argumentos para confirmar ou duvidar da viabilidade do projeto de união de vida em comum”, escreveu sobre o livro o histórico dirigente cabo-verdiano Pedro Pires.

O livro, que resulta de uma parceria entre a Fundação Amílcar Cabral e a Fundação Calouste Gulbenkian, será lançado na cidade da Praia a 12 de fevereiro, em Luanda a 26 e em Lisboa a 18 de março.

A editora está ainda a analisar a possibilidade de lançamento do livro em Bissau durante o primeiro semestre de 2016.

Na Praia, o livro será apresentado pela escritora e presidente da Academia Cabo-Verdiana de Letras, Vera Duarte, e pelo sociólogo e atual ministro do Ensino Superior, António Correia e Silva.