Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há quem olhe para a passadeira vermelha dos prémios Grammy como muitos olham para o primeiro dia de primavera: é uma lufada de ar fresco que, sem medos e sem regras, quebra a sobriedade dos vestidos usados em cerimónias formais como os Globos de Ouro e os BAFTA. Desta vez, a 58º edição, que se realizou na madrugada desta segunda-feira, foi a excepção à regra. A indústria de música vestiu-se de luto e deslumbrou em vestidos pretos com longas rachas. Exemplo disso é Alessandra Ambrosio em Versace, Bella Hadid em Alexandre Vauthier e Anna Kendrick em Emanuel Ungaro.

A elegância veio na forma de Adele que, apesar de não surpreender com a sua escolha monocromática, foi muito comentada e elogiada. Na lista das melhores vestidas entra também Ellie Goulding que desfilou com um vestido em tons rosa assinado por Stella McCartney e Taylor Swift que, tanto pelas cores como pela silhueta, foi uma das mais ousadas da noite. Quem fez falta na cerimónia no Staples Center, em Los Angeles, foram os polémicos coordenados de Rihanna depois da cantora ter cancelado a sua presença à última da hora.

Para preencher a lacuna de estilo na passadeira vermelha, o sexo masculino apostou (e bem) em escolhas arriscadas como é o caso do blazer branco de Justin Bieber e do fato de três peças de Sam Smith — que apareceu mais magro e quase irreconhecível. Já Lady Gaga veio provar que a excentricidade ainda lhe corre nas veias com um conjunto atrevido em homenagem ao músico David Bowie. A cantora Zendaya seguiu a mesma inspiração e também deu que falar pelas piores razões.

Fique com a fotogaleria da 58º edição dos prémios Grammy onde os looks da passadeira vermelha estão organizados do melhor para o pior.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR