Alexandre Pinto da Costa, detentor da empresa Energy Soccer, terá lucrado 1,94 milhões de euros em negócios com o FC Porto, clube do qual o seu pai, Pinto da Costa, é presidente. A relação entre a empresa e o clube começou em 2012, segundo o Correio da Manhã.

Segundo aquele jornal, a Energy Soccer fez a intermediação de pelo menos sete negócios que envolvem jogadores do FC Porto. O jogador que permitiu um maior encaixe financeiro para a empresa foi Casemiro, que jogou no clube de Pinto da Costa na época de 2014/15 por empréstimo do Real Madrid. A Energy Soccer terá recebido 700 mil euros para gerir a carreira do internacional brasileiro. Depois, o jogador mais proveitoso para a Energy Soccer foi Ricardo Quaresma. Segundo o Correio da Manhã, a anunciada transferência a custo zero em janeiro de 2014 afinal custou 500 mil euros ao clube, que foram pagos à Energy Soccer por ter sido intermediária do negócio.

A Energy Soccer terá ainda recebido comissões relativas a negócios relativos aos seguintes jogadores: Álvaro Pereira, Rolando, Carlos Eduardo, Christian Atsu e Frederico Varela, o único que ainda tem contrato com o FC Porto.