Celebridades

Leonardo DiCaprio pode ser banido da Indonésia

121

O ator já galardoado com um Óscar viajou até à Indonésia e não poupou críticas face ao impacto da indústria de óleo de palma nas florestas tropicais. Agora, pode ser proibido de regressar.

O ator de 41 anos é mensageiro da paz da ONU.

Jason Merritt/Getty Images

O reconhecido ator Leonardo DiCaprio — mensageiro da paz da ONU, especialmente no que diz respeito à preservação da natureza e das alterações climáticas — pode vir a ser impedido de regressar à Indonésia, escreve a imprensa internacional. Em causa estão comentários que o próprio fez nas redes sociais, onde se podem ler críticas ao impacto da indústria de óleo de palma nas florestas tropicais.

The lowland #rainforest of the Leuser Ecosystem are considered the world’s best remaining habitat for the critically endangered Sumatran #elephant. In these forests, ancient elephant migratory paths are still used by some of the last #wild herds of Sumatran elephants. But the expansion of Palm Oil plantations is fragmenting the #forest and cutting off key elephant migratory corridors, making it more difficult for elephant families to find adequate sources of food and water. The Leonardo DiCaprio Foundation is supporting local partners to establish a mega-fauna sanctuary in the Leuser Ecosystem, last place on Earth where Sumatran orangutans, tigers, rhinos and elephants coexist in the wild. Click the link in the bio to stand with @haka_sumatra as they fight to protect the Leuser Ecosystem. #SaveLeuserEcosystem #Indonesia

A photo posted by Leonardo DiCaprio (@leonardodicaprio) on

O ator viajou até à Indonésia no final do mês de março com um visto de turista, tendo visitado o Parque Nacional de Gunung Leuser, no nordeste do país. A viagem serviu de mote para várias publicações na sua conta de Instagram que deixam perceber, por um lado, a luta pela preservação do ecossistema de Gunung Leuser — tido como “o último lugar na Terra onde orangotangos, tigres, rinocerontes e elefantes coexistem na natureza selvagem”, tal como se pode ler numa das legendas que acompanham as suas fotos — e, por outro, as críticas ao Governo de Jacarta por permitir a expansão das plantações de óleo de palma.

As publicações em questão estão no centro da controvérsia, com a Indonésia a ponderar proibir a entrada no país do ator já galardoado com um Óscar de Melhor Ator pela sua participação no filme The Revenant: O Renascido. Escreve a BBC que caso os comentários sejam considerados uma “incitação” ao Governo, Leonardo DiCaprio pode mesmo não voltar àquele destino.

Heru Santoso, porta-voz do diretor-geral do departamento de imigração do país, garantiu que o ator não fez nada de errado, considerando o visto e a permissão de imigração. Mas a situação pode mudar caso as suas palavras sejam encaradas como uma provação, motivo pelo qual “podemos colocá-lo numa lista negra e proibi-lo de voltar à Indonésia”.

Recorde-se que já no início do ano o também ativista aproveitou o momento de aceitação do Óscar de Melhor Ator para discursar em prol do ambiente: “As mudanças climáticas são reais, estão a acontecer agora mesmo. É a ameaça mais urgente para toda a nossa espécie. (…) Não tomemos este planeta como garantido. Eu não tomo esta noite como garantida”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)