O lutador português João Carvalho, mais conhecido por “Rafeiro”, morreu esta segunda-feira em Dublin, na Irlanda, na sequência de um combate de Artes Marciais Mistas (MMA). Este estilo de luta, criado durante os anos 90 por uma promotora norte-americana, é considerado um dos desportos de combate que mais rapidamente tem crescido nos últimos anos. Mas o que é? Quem o pratica? Quão perigoso é?

O que são as Artes Marciais Mistas (MMA)?

As Artes Marciais Mistas, mais conhecidas pela sigla inglesa MMA (Mixed Martial Arts), são um desporto de combate que inclui golpes de luta em posição de combate, ou seja, em pé, e técnicas de lutas no chão (“grapling”). Com origem na luta livre, as MMA misturam diferentes técnicas de vários desportos de combate e artes marciais, como o Muay-thai, o Karaté, o Boxe, o Judo e o Jiu Jitsu brasileiro.

A modalidade terá nascido a partir do Vale Tudo, um desporto de combate, de contacto pleno, muito popular no Brasil. À semelhança das MMA, no Vale Tudo também são usadas técnicas das artes marciais. O número de regras estabelecidas é muito reduzido, tendo como único objetivo preservar a integridade física dos lutadores.

O termo “mixed martial art” foi cunhado pelo crítico de televisão Howard Rosenberg que, em 1993, o usou para descrever o primeiro evento da Ultimate Fighting Championship (UFC), uma promotora de MMA. “Na altura, a UFC decidiu juntar vários estilos de luta. Até aí, o wrestling era muito matemático, ninguém queria assistir aos combates. Não tinha emoção, não tinha nada”, explicou ao Observador Tiago Milheiro, wrestler português. “Foi aí que entrou a componente das artes marciais.”

DENVER, CO - NOVEMBER 12: Royce Gracie in action during the Ultimate Fighter Championships UFC 1 on November 12, 1993 at the McNichols Sports Arena in Denver, Colorado. (Photo by Holly Stein/Getty Images)

Royce Gracie foi um dos lutadores que participou no primeiro evento da UFC, em november de 1993 (Holly Stein/Getty Images)

À medida que o termo foi ganhando popularidade entre os fãs de luta livre, Jeff Blatnick e John McCarthy, da UFC, propuseram o seu uso nos eventos oficias da UFC. O primeiro evento de MMA aconteceu em Biloxi, no Mississippi, em agosto de 1996. Para o regular, foi criado um novo conjunto de regras — uma adaptação das normas utilizadas no Kickboxing, que permitiam take downs e lutas no chão. Este conjunto de regras foi responsável por definir muitas das características atuais das MMA, como as faltas, a superfície de combate e o uso de uma jaula, imagem de marca da modalidade.

Atualmente, a UFC é a maior e mais importante promotora de MMA. Todos os anos, organiza cerca de 40 eventos, dentro e fora dos Estados Unidos da América. A promotora tem a seu cargo alguns dos mais importantes lutadores de MMA.

Quais é que são as regras das MMA?

A maioria dos organismos desportivos norte-americanos, nomeadamente a UFC, rege-se pelas Unified Rules of Mixed Martial Arts, um conjunto de regras estabelecido originalmente em 2000, pela Comissão Atlética do Estado da Califórnia. Apesar de terem sido criadas nos Estados Unidos da América, estas normas são seguidas à risca pela maioria das associações estrangeiras de MMA.

Os combates de MMA são compostos por rounds de cinco minutos. Nas competições, as lutas não podem exceder os cinco rounds enquanto que, nos combates que não são para o título, o máximo é de três. Os lutadores devem usar calções, luvas, boquilha (proteção dental) e coquilha (proteção genital), e não podem usar qualquer tipo de calçado.

A lista de falta é extensa e inclui ataques à coluna, às virilhas, aos olhos, à garganta e à nuca. É também proibido morder, puxar o cabelo e, caso um lutador esteja no chão, este não pode ser atingido na cabeça pelo seu adversário com pontapés ou joelhadas. Sempre que um lutador faz uma falta, recebe um aviso do árbitro. Ao terceiro aviso, é automaticamente desqualificado.

Desde que a modalidade é conhecida por MMA, ou seja, desde o primeiro evento da UFC em 1996, registaram-se apenas 14 mortes. “Alguns casos estão diretamente relacionados com os combates, outros com complicações por perdas de peso ou com o uso de suplementos”, explicou ao Observador Luis Barneto, diretor executivo da Comissão Atlética Portuguesa de Mixed Martial Arts (CAPMMA), à qual cabe promover, desenvolver e regular a pratica do desporto em Portugal. “Portanto, em 23 anos, houve 14 morte. No boxe, por exemplo, registam-se cerca de dez mortes por ano.”

“Comparando as MMA com outros desportos (de combate e não só), facilmente concluímos que é um dos que tem o menor número de casos graves no mundo. Se pensarmos que, por exemplo, entre 2005 e 2015, portanto num período de dez anos, faleceram 38 pessoas nos Estados Unidos a fazer ski…”

Quem é que regula a modalidade?

A regulação da prática das MMA é da responsabilidade da International Mixed Martial Arts Federation (IMMAF), um organismo internacional que representa todos aqueles que estão de algum modo envolvidos com a prática do desporto de combate, como atletas, treinadores, árbitros, comissões atléticas e confederações desportivas.

A IMMAF foi fundada em Estocolmo, na Suécia, a 29 de fevereiro de 2012, por August Wallén, ex-atleta e antigo presidente da Federação Sueca de MMA, com o objetivo de “desenvolver e reconhecer o desporto, permitindo a competição internacional através da organização de federações nacionais de MMA no mundo inteiro”.

Um dos principais propósitos da IMMAF é o desenvolvimento da modalidade como desporto internacional, “do nível recreativo ao nível de elite”, impulsionando a criação de um conjunto de regras comuns a todos os organismos. “As MMA não são diferentes dos outros desportos e, para que continuem a crescer, é preciso apoiar os movimentos recreativos mas também a possibilidade da criação de um grupo desportivo de elite”, refere o site da IMMAF.

Apesar de a IMMAF ter como objetivo unificar as regras das MMA, a verdade é que estas podem variar ligeiramente de promotora para promotora.

Em Portugal, é à Comissão Atlética Portuguesa de Mixed Martial Arts (CAPMMA) que cabe promover, desenvolver e regular a pratica do desporto no país, “refletindo e adaptando à realidade nacional a visão global máxima das MMA no mundo”, pode ler-se no site do organismo. A CAPMMA pertence à Federação Portuguesa de Lutas Amadoras (FPLA), responsável por disciplinas olímpicas, como a Luta Greco-Romana ou a Luta Livre-Olímpica, e outros desportos associados, como a Luta de Praia.