Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Zara, marca do grupo têxtil espanhol Inditex, tem um cartaz afixado nas suas lojas em que pede aos clientes que devolvam um colar vendido pela marca, cuja composição representa um perigo para a saúde.

O colar contém cádmio, um metal pesado com efeitos tóxicos nos organismos vivos, mesmo em concentrações muito pequenas. A União Europeia ordenou a retirada do produto do mercado por “risco sério“. No comunicado pode ler-se o motivo:

O produto contém cádmio (valor medido: até 90% em peso). O cádmio é prejudicial para a saúde humana, porque se acumula no corpo e pode danificar os órgãos e/ou causar cancro. O produto não está em conformidade com o Regulamento REACH.”

Nas lojas, o cartaz, datado de 20 de abril, encontra-se no balcão da zona de caixas. Para além da imagem do colar e da referência do artigo, a composição não está especificada, nem a razão exata pela qual a recolha está a ser levado a cabo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Algumas unidades deste artigo podem conter partes que ultrapassem os limites permitidos de componentes passíveis de afetar o meio ambiente e, em caso de ingestão, a saúde. Apesar de não ter sido comunicada nenhuma ocorrência, queremos proceder à recolha de todas as unidades. Se adquiriu um destes produtos, por favor, contacte-nos. Poderá deslocar-se a qualquer uma das nossas lojas ou contactar o serviço de apoio ao cliente através do número 800 202 610, para lhe indicarmos como deve proceder para receber o seu reembolso.

Pedimos desculpa pelo incómodo causado.”

O colar foi fabricado na Índia e a composição refere os metais zinco (60%), cobre (15%), ferro (5%) e, também, vidro (20%).

Advertência da UE

Mostrar Esconder

Consulte aqui o alerta RAPEX de retirada do artigo do mercado.

 

O artigo já não se encontra à venda nas lojas físicas da marca, nem nas lojas online. No entanto, através de uma pesquisa rápida na internet ainda foi possível encontrar o colar à venda em sites como o Ebay.

colar zara EU_2016-w15_20019-2f

Imagens do colar divulgadas pela Comissão Europeia na ficha de advertência de recolha do artigo

O alerta chegou à Comissão Europeia vindo da Noruega, que denunciou o produto ao RAPEX (The Rapid Alert System for Non-Food Products), o sistema de troca rápida de informação da União Europeia para produtos de consumo perigosos e de defesa do consumidor. O sistema não abrange produtos alimentares, farmacêuticos e medicamentos, mas é válido para informações sobre produtos como roupas, calçado, cosméticos, brinquedos ou joias e bijuterias com ingredientes potencialmente nocivos.

O Observador contactou a Inditex sobre a retirada do artigo do mercado e a empresa reagiu por email explicando que numa “inspeção rotineira” realizada ao artigo a Agência do Meio Ambiente da Noruega “identificou algumas peças deste colar como suscetíveis de conter componentes que excediam os limites permitidos”.

A Zara solicitou uma contra-análise à mesma entidade cujos resultados foram diferentes (com níveis mais baixos que a análise anterior) e, na sequência dos diferentes resultados, “a Agência do Meio Ambiente da Noruega realizou uma terceira análise, cujos resultados foram idênticos aos primeiros”, refere a empresa.

A Inditex continua a “debater os resultados com a Agência do Meio Ambiente da Noruega” e, “apesar desta divergência de resultados, como medida de precaução, a Zara quer recuperar este artigo do mercado, reembolsando os clientes que o tenham adquirido.”

Tal como no texto do cartaz afixado nas lojas, a Zara reforçou que “a retirada do artigo decorre do seu possível impacto ambiental”. “No que diz respeito à forma como certos componentes poderão afetar a saúde, ressalvamos que em nenhum caso o contacto do componente com a pele ou o seu uso normal representa um risco direto para a saúde.”

A Inditex cita também um relatório da Agency for Toxic Substances & Disease Registry do Center for Disease Control and Prevention (CDC) dos Estados Unidos sobre a toxicidade do cádmio, onde se lê na pagina 15 que a pele “não é considerada uma das principais vias de exposição a este químico”.

Notícia atualizada com informações fornecidas pela empresa às 10h45m.