Dados enviados pelo Santander Totta à comissão de inquérito parlamentar ao Banif revelam qual foi o destino da fuga de depósitos que o banco sofreu no último ano antes da resolução. A Caixa Geral de Depósitos foi a principal destinatária da ordem de transferências, com 21% do total, seguida do BCP, que recebeu 18% do dinheiro que saiu do Banif. Em terceiro lugar surge o Santander Totta com 14% das transferências totais realizadas entre dezembro de 2014 e dezembro de 2015 e que totalizaram cerca de 1.764 milhões de euros.

Os números agora remetidos pelo banco que comprou Banif mostram contudo que na semana fatal para o banco, a tal que levou à fuga de cerca de mil milhões de euros de recursos de clientes, o Santander Totta recebeu um quinhão superior das transferências em relação à percentagem registada até então e que rondava os 11%.

Cerca de 162 milhões de euros, o equivalente a 16% do total das saídas, foram parar ao Santander Totta. Esta percentagem é um pouco superior à quota de mercado do banco de capitais espanhóis que veio a comprar o Banif já em fase de resolução. Números que deverão ser usados para questionar o presidente do banco, António Vieira Monteiro, na audição desta quarta-feira na comissão parlamentar de inquérito.

Entre 14 de dezembro e 18 de dezembro, ou seja nos dias que se seguiram à notícia da TVI e até à resolução do banco, o Banif perdeu cerca de 1.030 milhões de euros em fundos, entre cheques e transferências, para outros bancos. O valor é ligeiramente superior aos 960 milhões que já tinham sido revelados pelo Banco de Portugal, uma fuga atribuída sobretudo ao impacto da notícia dada pela TVI no domingo à noite (13 de dezembro) que na sua primeira versão admitia o encerramento do banco, a sua integração na Caixa e perdas para depositantes acima de 100 mil euros.

m que as transferências recebidas por este banco de clientes do Banif no ano de 2015, ascenderam a 243 milhões de euros, o que equivale a cerca de 14% dos fundos saídos, uma percentagem que é próxima da quota de mercado do banco de capitais espanhóis. Ainda assim, esta fatia coloca o Santander à frente do BPI, que recebeu 13% do total, e do Novo Banco, que apenas recebeu 6% dos fundos saídos do Banif.

Saída de fundos acelerou na última semana de vida do Banif

Os números revelam também que o ritmo de saída de fundos para o Santander subiu na última semana do Banif. Por esta altura, e segundo testemunhos do ex-presidente Jorge Tomé, alguns clientes do banco na Madeira terão sido “convidados” por gestores do Santander Totta a transferir o seu dinheiro para este banco. Esta informação foi já desmentida pelo banco, mas será certamente levantada durante a audição a António Vieira Monteiro.

Mas a mesma tendência aconteceu com a Caixa Geral de Depósitos, o banco público que é visto tradicionalmente como um banco de refúgio em crises bancárias. Também se poderá argumentar que o Santander Totta, pelos resultados positivos dos últimos anos e a solidez do seu acionista, é visto como um destino seguro.

A CGD recebeu 25% das transferências na semana decisiva para o Banif, acima do valor global de 21%, mas ainda assim abaixo daquela que será a sua quota de mercado nos depósitos. O BCP manteve a percentagem de 18% dos fundos que saíram do Banif.

Estes dados têm por base informação remetida ao Santander Totta pela Oitante, veículo que ficou com os ativos que o banco de capitais espanhóis não quis comprar. Ao longo de 2015, “fugiram” 1.764 milhões de euros do Banif, mas o grosso destas transferências, mais de 50%, concentra-se nas últimas semanas de dezembro: 1.030 milhões de euros entre 14 e 18 de dezembro e 421 milhões de euros depois da resolução.

Os números diferem dos já entregues à comissão de inquérito e que se reportavam apenas à tal semana de dezembro de 2015, o que reflete os diferentes momentos em que foram registadas as transferências. Segundo a resposta do Santander Totta à comissão de inquérito, a quota das transferências recebidas do Banif corresponde à expressão natural da sua quota de mercado na banca portuguesa.

Na lista dos destinatários dos fundos que saíram do Banif estão ainda o Montepio, com 5% do total, o Crédito Agrícola, com 4%, o BIC e o IGCP (Agência que gere a dívida pública), com 3% cada. Já o Popular, o outro banco espanhol que apresentou proposta de compra do Banif, na fase da venda voluntária, recebeu apenas 2% do total, valor que foi de 3% na semana decisiva de 14 a 18 de dezembro.