O ex-presidente da FIFA diz que a UEFA manipulou os sorteios de competições europeias com recurso ao arrefecimento das bolas que são colocadas dentro de cada pote. Numa entrevista ao jornal argentino La Nación, Joseph Blatter — que está suspenso e é suspeito de ter enriquecido ilicitamente através da organização que governa o futebol mundial — deu alguns detalhes de como essa manipulação supostamente ocorria.

“Só havia uma pessoa que tinha esse poder na Europa: Artemio Franchi”, disse Blatter ao jornal argentino. Franchi foi presidente da UEFA entre 1973 e 1983, ano em que morreu num acidente de automóvel. Logo no segundo ano de mandato à frente da organização europeia, Franchi (que havia sido presidente da federação italiana), foi acusado de estar ligado a um esquema de corrupção nas competições europeias. Tais acusações nunca foram provadas em tribunal.

Agora, Blatter afirma que assistiu a sorteios “a nível europeu” em que se manipularam os resultados. Isso fazia-se com recurso a uma técnica muito simples que o ex-presidente da FIFA explicou ao La Nación. Nos sorteios, usam-se sempre bolas que contêm o nome de cada clube participante. Retiram-se bolas de dois potes para obter um jogo. Para que o sorteio tenha o desfecho pretendido pelos responsáveis, “põem-se as bolas no frigorífico” e “a mera comparação entre umas e outras ao tocá-las dá para distinguir entre as frias e as quentes”. Assim, a pessoa responsável pelo sorteio podia combinar uma bola quente com uma fria, pois já sabia a que equipas corresponderia cada bola.

Blatter esclarece que isto “nunca aconteceu” na FIFA enquanto ele foi presidente. Na mesma entrevista, garante que está tranquilo e confiante relativamente ao futuro. “Não vão encontrar nada”, diz o ex-dirigente.