O Ministério da Saúde brasileiro destacou a redução de tuberculose no Brasil e da mortalidade associada à doença, ao comentar um relatório que coloca o país entre os 20 do mundo com maior incidência.

“Nos últimos 10 anos, a incidência da tuberculose no país caiu 14,2%, passando de 38,7 casos por cada 100 mil habitantes em 2006 para 33,2 casos por 100 mil habitantes em 2015”, informou o MInistério da Saúde, em resposta à agência Lusa.

O coeficiente de mortalidade passou de “2,6 óbitos por 100 mil habitantes em 2004 para 2,2 por 100 mil habitantes registados em 2014”, adiantou.

Segundo dados do Ministério da Saúde, também houve uma redução de 6,1% no número de casos novos nos últimos 10 anos, sendo que “em 2014 foram notificados 69.274 situações em todo país e no ano seguinte 67.790”.

Ao comentar os dados da Organização Mundial de Saúde (OMC), que no relatório global sobre a tuberculose publicado quinta-feira dá conta de que o Brasil terá registado 84 mil novos casos de tuberculose em 2015, a tutela respondeu que “em 2014, a OMS estimou 85 mil casos novos para o Brasil, porém foram notificados 69.274”.

Na resposta à agência Lusa, o Ministério da Saúde realçou que a OMC deu conta de uma diminuição de casos no país.

Além disso, destacou, “o relatório aponta que o Brasil apresentou uma das mais altas coberturas de tratamento (mais de 80%), ao lado de China, Filipinas e Rússia”.

Segundo o Ministério da Saúde, “o Brasil conseguiu atingir as metas dos Objetivos do Milénio de combate à tuberculose com três anos de antecedência e, no ano passado, aderiu ao compromisso global de redução de 95% dos óbitos e 90% do coeficiente de incidência da doença até 2035”.

A tutela informou ainda que, “entre os 48 países prioritários, o Brasil é um dos 15 países com teste rápido molecular disponível para o diagnóstico de tuberculose”.

“A maioria (82%) dos pacientes com tuberculose conhecem o seu ‘status’ sorológico em relação ao HIV, entretanto, menos de 50% desses iniciaram terapia antirretroviral em 2015”, informou.

O Ministério sublinhou também que o Brasil já atingiu uma taxa de incidência/mortalidade menor de 10%, o valor requerido pela OMC para 2020.

O Ministério deu ainda conta de várias medidas para enfrentar a doença, como tratamento gratuito e campanhas de publicidade envolvendo personalidades públicas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR