Rádio Observador

Literatura

Paul Beatty é o vencedor do Man Booker Prize de 2016

189

O escritor, autor de "The Sellout", é o primeiro norte-americano a receber o prémio, um dos mais importantes de literatura de língua inglesa. O romance foi editado pela mesma editora de Marlon James.

Paul Beatty tem 54 anos e nasceu em Los Angeles, nos Estados Unidos da América

Getty Images

Paul Beatty, autor do romance The Sellout, é o grande vencedor do Man Booker Prize de 2016, um dos mais importantes prémios literários de língua inglesa. Beatty, de 54 anos, é o primeiro norte-americano a receber o galardão, no valor de 50 mil libras (cerca de 56 mil euros).

No discurso de entrega do prémio, que decorreu no edifício Guildhal, em Londres, o autor, emocionado, admitiu que “não estava mesmo nada à espera disto”. “Não quero ser dramático e dizer que a escrita me salvou a vida, mas a escrita deu-me uma vida”, disse Beatty.

The Sellout, publicado pela Oneworld, uma pequena editora independente, é uma sátira sobre as relações raciais na América dos dias de hoje narrada da perspetiva de uma personagem, Bonbon, um afro-americano que quer afirmar a sua identidade trazendo de volta a escravatura e segregação. O romance foi descrito pelo New York Times como um “caldeirão multicultural metafórico, quase demasiado quente para se conseguir tocar”. Já o Wall Street Journal comparou a obra de Beatty com a de Jonathan Swift, autor da sátira As Viagens de Gulliver, uma opinião que parece ter sido partilhada pelo júri do Booker.

Descrevendo-o como “um romance dos nossos tempos”, Amanda Foreman, presidente do júri deste ano, afirmou que “The Sellout é um daqueles livros muito raros que consegue pegar na sátira — que é um género muito difícil e nem sempre bem conseguido — e atirá-la para o coração da sociedade norte-americana contemporânea com uma perspicácia selvagem que não vejo desde Swift ou Twain”. Apesar de The Sellout poder ser difícil de digerir, a historiadora salientou que a “ficção não deve ser confortável” e que “a verdade raramente é bonita”.

Além do prémio de 50 mil libras, Beatty irá receber 2.500 libras por ter sido escolhido para a shortlist, anunciada em meados de setembro. A concurso estavam outros dois norte-americanos — Otessa Mosgfegh, com Eileen, e David Szalay, com All That Man Is. A lista dos seis finalistas incluía ainda os britânicos Deborah Levy, com Hot Milk, e Graeme Macrae Burnet, com His Bloody Project, e a canadiana Madeleine Thien, autora de Do Not Say We Have Nothing.

Na altura, Amanda Foreman explicou que os seis finalistas refletiam “a centralidade do romance na cultura moderna — na sua habilidade de defender o que não é convencional, de explorar o desconhecido e de tocar em temas difíceis”.

No ano passado, o galardão foi atribuído ao jamaicano Marlon James, autor de A Brief History of Seven Killings (ainda sem tradução em português), também publicado pela Oneworld. A obra, em torno da tentativa de assassinato de Bob Marley em 1976, conquistou o júri apesar da linguagem forte e das descrições de violência.

Foi a primeira vez que um autor jamaicano ganhou um Man Booker Prize, o que só foi possível com a mudança das regras de atribuição em 2014. A partir desse ano, o Man Booker passou a estar disponível a qualquer escritor que tenha visto a sua obra publicada, em inglês, no Reino Unido. Esta alteração permitiu que os autores norte-americanos, como Paul Beatty, também pudessem concorrer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)