Foram divulgados esta terça-feira os seis finalistas do Man Booker Prize, um dos prémios literários mais importantes de língua inglesa. A shortlist deste ano, anunciada por Amanda Foreman, presidente do júri deste ano, numa conferência de imprensa é composta maioritariamente por autores britânicos (três ao todo). A lista de 2016 inclui ainda dois autores canadianos e um norte-americano, neste que é o terceiro ano consecutivo em que as candidaturas foram abertas a escritores de todas as nacionalidades.

Entre os nomes anunciados encontram-se autores premiados, outros praticamente desconhecidos e até um repetente — a britânica Deborah Levy, selecionada em 2012 pelo livro Swimming Home. Os assuntos abordados nos romances selecionados são variados, e vão desde um assassínio passado no século XIX na Escócia à música clássica da China Revolucionária.

Na conferência de imprensa realizada nos escritórios do Man Group, principal patrocinador do galardão, os membros do júri do Man Booker Prize fizeram questão de frisar o papel do romance na exploração da cultura e na abordagem de temas difíceis e pouco conhecidos, salientando a originalidade dos autores selecionados e a sua capacidade de trabalhar e brincar com a linguagem e forma.

“O Man Booker Prize sujeita os romances a um nível de escrutínio tal que poucos livros conseguem sobreviver”, referiu a presidente do júri Amanda Foreman. “Foi angustiante e, ao mesmo tempo, emocionante, sermos confrontados pelo simples poder da escrita durante a releitura da nossa incrível, diversa e desafiadora longlist. Enquanto grupo, estamos entusiasmados por tantos autores terem vontade de correr riscos com a linguagem e a forma.”

De acordo com Foreman, “os seis finalistas refletem a centralidade do romance na cultura moderna — na sua habilidade de defender o que não é convencional, de explorar o desconhecido e de tocar em temas difíceis“.

O vencedor do prémio de 50 mil libras (59 mil euros) do Man Booker Prize será anunciado durante uma cerimónia que decorrerá a 25 de outubro. Os seus finalistas são os seguintes:

  • Paul Beaty (Estados Unidos da América), com The Sellout, publicado pela Oneworld
  • Deborah Levy (Reino Unido), com Hot Milk, publicado pela Hamish Hamilton
  • Graeme Macrae Burnet (Reino Unido), His Bloody Project, publicado pela Contraband
  • Otessa Mosgfegh (Estados Unidos da América), Eileen, publicado pela Jonathan Cape
  • David Szalay (Canadá/Estados Unidos da América), All That Man Is, também publicado pela Jonathan Cape
  • Madeleine Thien (Canadá), Do Not Say We Have Nothing, publicado pela Granta Books