O comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, abre esta quarta-feira o seminário diplomático, iniciativa anual do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) que reúne até quinta-feira, em Lisboa, diplomatas portugueses, governantes e sociedade civil.

A sessão de abertura do encontro de dois dias, que decorre no Museu do Oriente, cabe ao comissário europeu e ao ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que na sua intervenção deverá expor os principais temas e objetivos da diplomacia portuguesa em 2017. No segundo dia de trabalhos, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, falará numa sessão especial.

Durante o primeiro dia do seminário diplomático, os embaixadores portugueses participam em sessões de trabalho com Santos Silva e os quatro secretários de Estado do MNE – Assuntos Europeus; Negócios Estrangeiros e Cooperação; Comunidades Portuguesas e Internacionalização -, e ainda com o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, e a diretora-geral da Web Summit, Sarah Mortell.

Esta quarta-feira à tarde será entregue o prémio “Francisco de Melo e Torres – Diplomata do Ano”, atribuído pela Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, que nesta edição (a quarta) distingue o embaixador português em Pequim, Jorge Torres Pereira.

Ao final do dia, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recebe os embaixadores e cônsules-gerais no Palácio de Belém.

No ano passado, o orador convidado pelo Governo português para a abertura do encontro foi António Guterres, que terminara no final de 2015 o seu segundo mandato como alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados. Em fevereiro, o Executivo anunciou a candidatura do ex-primeiro-ministro a secretário-geral da ONU, cargo que Guterres desempenha desde dia 1.