Rádio Observador

Porsche

Só para quem pode. Porsche 959 vai a leilão

A Sotheby’s vai levar a leilão, a 8 de Fevereiro, um Porsche 959 em estado absolutamente original. É um dos 29 exemplares da variante Sport. Espera-se que venha a ser licitado por 2 milhões de euros.

Autor
  • António Sousa Pereira

O Porsche 959 é um dos exemplos máximos de uma era gloriosa da indústria automóvel: a do advento dos chamados supercarros, em que cada novo modelo apostava em superar os seus rivais em desempenho e prestações de tirar a respiração. Nasceu como modelo destinado ao Grupo B do Mundial de Ralis, para cuja homologação estava obrigado a ser produzido em, pelo menos, 200 unidades destinadas a circular na via pública. Assim o definiam os regulamentos da época, que a Porsche cumpriu, pese embora o modelo nunca tenha chegado a participar nesse campeonato.

Lançado em 1986, o 959 foi, porventura, o automóvel tecnologicamente mais evoluído do seu tempo, um dos primeiros do género a contar com tracção integral permanente (que muito útil lhe foi para participar, e vencer, o rali Paris-Dakar), abrindo caminho para a introdução desta solução técnica no 911 Carrera 4. Um sistema denominado PSK, o mais sofisticado do género da época para automóveis de produção em série, capaz de assegurar a repartição variável do binário entre os dois eixos.

Já o motor de seis cilindros opostos, com 2,9 litros, provinha directamente do 935 de competição (o famoso Moby Dick) e contava com dois turbocompressores montados em sequência, e não um por bancada de cilindros, como era comum naquela época. Oferecia, originalmente, 450 cv, disponibilizava 515 cv na versão Sport (destinada à competição e cerca de 100 kg mais leve), com a Porsche a propor, posteriormente, uma evolução que permitia que a potência chegasse aos 530 cv.

1988-porsche-959-sport (23)

Entre os muitos atributos técnicos do 959, é forçoso destacar a suspensão com amortecimento activo e regulação automática da altura ao solo, as jantes em magnésio ocas já dotadas de um sistema de monitorização da pressão dos pneus, a caixa de seis velocidades ou a aerodinâmica extremamente evoluída. Com 1.450 kg peso, oferecia prestações que a ninguém ficava indiferente: qualquer uma das suas variantes superava os 300 km/h e cumpria os 0-100 km/h em menos de 4,0 segundos!

Nos dois anos em que foi produzido, nas instalações da Baur, foram fabricados 292 exemplares do 959 destinados a clientes (a que há que adicionar 37 protótipos, oito unidades de pré-produção e mais oito unidades construídas, em 1992/1993, a partir das peças ainda existentes nas instalações da Porsche). Também por isso, este é um automóvel que rapidamente se tornou num veículo de culto, que embeleza as garagens dos mais felizardos coleccionadores e raramente muda de mãos.

1988-porsche-959-sport (21)

Mas as oportunidades, por vezes, aparecem. E a próxima já tem data marcada: 8 de Fevereiro, em Paris, num leilão realizado pela RM Sotheby’s. À praça vai um dos 29 exemplares construídos da versão Sport do 959, anunciado como estando em condições absolutamente originais, exactamente com a mesma pintura com que saiu de fábrica.

Este 959 Sport já teve três proprietários. Procura agora o seu quarto dono, assim este esteja disposto a pagar os 1,5 a 2,0 milhões de euros que a leiloeira prevê que venha a ser o seu valor final de licitação. Uma verba ao alcance de muito poucos. Mas, tendo em conta todo o seu historial, e o estatuto de raridade que encerra, este até pode ser um bom investimento, atendendo ao potencial de valorização que lhe está associado.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)