Nasceu no Porto há 32 anos, vive em Lisboa desde 2010 e trabalha como fotógrafa da Playboy. “Sempre tive interesse pela nudez, mas prefiro o corpo da mulher ao do homem, acho mais bonito e interessante”, explicou Ana Dias, em entrevista ao Observador. “O corpo feminino é como uma obra de arte, não quero dizer que o corpo do homem não seja também, mas quando é captada de forma adequada a mulher é ainda mais bela.”

Ana Dias tornou-se fotógrafa daquela revista erótica em 2012, concretizando um sonho de adolescente, tal como o de conhecer o fundador da revista, Hugh Hefner, o que entretanto também aconteceu.

Primeiro, publicou na edição Sérvia da Playboy, com um álbum (editorial) em que aparecia a modelo Suzel Silva. Depois estreou-se na versão portuguesa, com fotos à modelo Raquel Henriques. Rapidamente, ganhou nome e convites das Playboy de todo o mundo: África do Sul, Alemanha, França, Brasil, México, entre muitos outros.

Uma seleção de 19 dessas fotografias pode agora ser vista no Casino Lisboa. A exposição “Playboy World” foi inaugurada esta sexta-feira, às 19h00, e tem entrada livre (para maiores de 18 anos, regra que se aplica ao casino). Fica até 9 de março, de domingo a quinta, das 15h00 às 03h00, e sextas e sábados, das 16h00 às 04h00.

“Há 25 países no mundo com edições da Playboy e neste momento já publiquei em 20. Ainda não consegui ter um editorial na Mongólia, porque eles só trabalham com modelos de lá, e na Tailândia também ainda não consegui entrar, porque não aceitam nudez explícita. Aliás, a edição americana, também deixou de ter fotos explícitas, agora preferem biquínis ou lingerie. Acho que estão a tentar alcançar um público mais vasto, até porque nas redes sociais não pode aparecer nudez. O meu grande objetivo é ter uma foto minha na capa da edição americana e estou a trabalhar para isso.”

Um pouco ansiosa por estar a dar uma entrevista, e revelando enorme simpatia e delicadeza, Ana Dias explicou ao Observador como funcionam as suas sessões fotográficas. “Não é difícil trabalhar comigo, cria-se sempre um bom ambiente, com muitas gargalhadas”, descreveu.

“Penso tudo ao pormenor, antes da sessão já tenho uma visão do que quero fazer e eu própria escolho tudo: o cenário, a modelo, a produção, o estilo de cabelo, makeup, se vai ser outside ou indoor, tudo está pensado, e quando ponho em prática é muito fácil.”

No caso da Playboy – e Ana Dias também faz trabalhos para marcas comerciais e outras revistas, com menos frequência – as sessões fotográficas decorrem muitas vezes em Portugal, mesmo quando o trabalho é encomendado por congéneres de outros países.

As viagens são também comuns, sobretudo desde junho de 2015, quando foi convidada pelo diretor da Playboy americana para protagonizar uma série de programas para o site da revista. O webshow é de acesso livre a qualquer utilizador e intitula-se “Playboy Abroad: Adventures with Photographer Ana Dias”. Há novos episódios de duas em duas semanas. Por estes dias, deve estar a sair o programa rodado no Cairo.

“É uma espécie de reality show com o making of das sessões fotográficas, mas também com o objetivo de por as modelos a falar e de mostrar o país para o qual viajámos”, explicou. “Tenho de ter um país diferente e um ensaio fotográfico duas vezes por mês, é cansativo mas muito motivante. Sou mesmo muito feliz a fazer isto, mudou totalmente a minha vida.”

[episódio recente filmado em Moçambique]

Formada em artes plásticas pela Escola Superior Artística do Porto, mal acabou o curso Ana Dias tornou-se ali professora de serigrafia, litografia e gravura. Tinha 22 anos. A média final de 17,5 valores levou a escola a dar-lhe o prémio que os melhores finalistas costumam receber: a possibilidade de darem aulas. “Gostei bastante da experiência, mas não era bem o que eu queria para a minha vida. Estava a ensinar algumas pessoas mais velhas do que eu, não me sentia muito confortável.”

Dos tempos de estudante recordou as aulas em que desenhava com modelos nus. “No primeiro ano, até foi um homem que entrou na sala, estava de roupão e depois despiu-se. Foi muito estranho para todos os estudantes, que não estavam habituados a ver um corpo nu a poucos centímetros de distância, mas rapidamente se tornou habitual.”

Até então, Ana Dias “nunca tinha pensado na fotografia como meio de expressão artístico”, mas já se interessava por imagens eróticas. Quando criança, tinha um fascínio era por Pamela Anderson e colecionava revistas em que a modelo e atriz americana aparecia.

“Tornei-me colecionadora da Playboy, sobretudo das edições vintage, dos anos 60, com uma nudez de muito requinte. Essa estética das pin-ups fascinava-me. Hoje devo ter perto de mil revistas. Penso que há uma diferença entre ser captado de uma forma sensível ou aparecer de maneira crua ou vulgar. Gosto imenso de fotografar mulheres que amem o seu corpo e tenham orgulho em mostrá-lo. Como sou mulher, conheço bem as subtilezas do corpo feminino.”

A partir de certa altura, fez tudo para conseguir tornar-se fotógrafa da publicação fundada em 1953 em Chicago. A oportunidade de começar, em 2012, surgiu como prémio de um concurso aberto pela edição sérvia. “A partir daí, vários diretores de outra Playboy começaram a pedir-me trabalhos”, resumiu.

O convite para o webshow, formulado por Jimmy Jellinek em junho de 2015, incluiu uma ida a Berverly Hills e uma passagem por casa do fundador da marca, Hugh Hefner, hoje com 90 anos.

“Estive na mansão dele e foi um sonho tornado realidade”, disse Ana Dias, com óbvio orgulho. “Falei com a secretária dele e ela disse que eu estava convidada para jantar na mansão e ir a uma sessão de cinema. Estavam os amigos dele e a mulher, que era a única pessoa mais próxima da minha idade, todos os outros tinham bastante idade. Quando o vi, emocionei-me e chorei de felicidade. Dei-lhe um abraço e agradeci. Ele respondeu: ‘It’s my pleasure’. Acabámos por não estar muito tempo juntos, porque ele teve de ir descansar, mas foi das coisas mais emocionantes, porque ele sempre foi um símbolo para mim.”

Em vésperas da primeira exposição em Lisboa, Ana Dias referiu ainda que além dos editoriais eróticos tem como objetivo de médio prazo a publicação de um livro na editora alemã Taschen. “Estou sempre a pensar em trabalho e sinto que se me esforçar as coisas acontecem.”