Rádio Observador

Graffiti

‘Graffiter’ Smile pinta história de Odivelas em muro de 120 metros

Momentos marcantes na história do concelho de Odivelas estão a ser pintados num muro daquela cidade, com 120 metros de comprimento, pelo 'graffiter' Ivo Santos, que assina como Smile.

João Relvas/LUSA

Momentos marcantes na história do concelho de Odivelas estão a ser pintados num muro daquela cidade, com 120 metros de comprimento, pelo ‘graffiter’ Ivo Santos, que assina como Smile. Papel com o desenho numa mão e lata de ‘spray’ na outra, Smile vai dando forma à primeira fase do mural, na Rua António Ferreira, na qual retrata o Cruzeiro, ou Memorial, de Odivelas, classificado como Monumento Nacional. “Vou contar os pontos mais fortes do concelho de Odivelas, os passos que marcaram o concelho”, contou o ‘graffiter’ à agência Lusa.

Na segunda fase, será retratada a lenda que terá dado origem ao Mosteiro de Odivelas, e na qual o rei D. Dinis é atacado por um urso. Reza a lenda que, vendo o perigo que corria, o rei terá pedido proteção a S. Dinis e a S. Luís, a quem prometeu que iria construir um mosteiro no seu paço de Odivelas, se o salvassem. A terceira fase é dedicada à marmelada branca de Odivelas, originalmente confecionada pelas freiras Bernardas. “Vai terminar no 25 de Abril de 1974, dia em que as tropas saíram do quartel da Pontinha”, adiantou Smile.

O ‘graffiter’ conta que o mural, com 120 metros de comprimento, esteja pronto até ao final de maio. “São 1.500 metros quadrados, o que torna este mural o maior até à data em Portugal, neste caso pintado apenas por um artista”, disse. O esboço surgiu depois de um ‘briefing’ com responsáveis da Câmara de Odivelas, que patrocina o mural, pesquisas, trabalho de computador e montagens de fotografias. “Mas há muita coisa que, depois, nasce na parede, por situações que vão acontecendo ao longo da pintura”, referiu.

Smile começou a pintar na terça-feira e, desde então, a reação de quem passa “tem sido bastante positiva, porque este muro nunca tinha sido pintado, nunca tinha levado uma cor, estava em betão bruto e é um muro muito extenso para estar cinzento”. Quando a Lusa se deslocou ao local, comprovou o interesse de quem passava, a pé ou de carro, e parava para tirar fotografias ou conversar com Smile. Um automobilista fez questão de parar o carro para perguntar se “a pintura leva algum produto para a proteger”. “É uma pena se estragarem, isto fica espetacular”, referiu, antes de seguir viagem.

Há 16 anos, quando Smile começou a pintar paredes, as coisas não eram bem assim. “Não havia muitas pinturas e as pessoas, qualquer coisa que viam, associavam ao vandalismo”, disse. Para o ‘graffiter’, o passar dos anos “e a Internet ajudaram a que as pessoas tenham uma mente diferente e percebam que isto tem um lado bom e pode trazer algo positivo ao dia-a-dia”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Museológica da batata /premium

Tiago Dores

Somos um povo com inclinação para a filosofia, com dotes de abstracção tão bons, tão bons, que acabamos por ser mais fortes a discorrer sobre museus imaginários do que a visitar museus reais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)