Pelo menos um hacker entrou no e-mail de David Beckham e pediu um milhão de euros para que o seu conteúdo não se tornasse público. O ex-jogador já terá recusado pagar esta quantia aos chantagistas, dá conta o The Telegraph. Acredita-se que o(s) hacker(s) tenham usado servidores russos para acederem às mensagens e documentos que estavam no computador de Simon Oliveira, responsável pela publicidade de Beckham. Simon é lusodescendente e é responsável pela Doeyen Sports, fundo de investimento de futebol já denunciado no caso do Football Leaks. Segundo o The Telegraph, existe já uma investigação policial em curso em Portugal, onde a empresa teve os seus serviços sediados. A equipa de Beckham recusou-se a colaborar com o(s) hacker(s) e informou a polícia no início do ano passado.

Alguns dos e-mail terão já saído a público, nomeadamente conversas entre David Backham e o seu responsável pela publicidade, que sugeriam que as campanhas de caridade protagonizadas pelo antigo jogador de futebol serviriam apenas para ajudar a que Beckham fosse condecorado com o título de “cavaleiro” (knighhood“). Desde 2005 que o ex-futebolista é embaixador da UNICEF.

Uma das mensagens de e-mail entre Beckham e Simon falava sobre o facto de o Comité de Honra não lhe ter atribuído a honra de “cavaleiro” em 2013, alegando que esta organização era composta por um conjunto de pessoas que não sabiam apreciar o seu trabalho. Ainda que em 2002 Beckham tenha recebido a distinção de “Oficial da Ordem do Império Britânico”, a categoria máxima de “cavaleiro” ainda não lhe foi atribuída e é essa que o ex-futebolista desejará. Aliás, terá afirmado que se não recebesse esta distinção, também não quereria mais nenhuma.

“Isto é uma desgraça, para ser sincero. Se eu fosse americano já teria tido algo do género há 10 anos”, poderá também ler-se num dos e-mail tornados públicos.

Os e-mails estarão igualmente nos milhares de documentos revelados pelo Football Leaks.

Football Leaks acusada de tentar extorquir dinheiro

Os representantes de Beckham já enviaram um comunicado a defender o seu nome, segundo noticia o ABC:

“Esta história baseia-se em material antigo, fora de contexto, manipulado e pirateado de contas de e-mail, através de um terceiro servidor. Oferecem uma imagem distorcida”, pode ler-se no comunicado, onde também é relembrado que o fundo de apoio de David Beckham “arrecadou milhões de libras para as crianças vulneráveis.” Por fim, afirma-se que o ex-futebolista gastou “muito tempo e energia” na Unicef, tendo inclusive feito doações pessoais, como uma parte do seu salário, todos os meses.

Também a UNICEF emitiu um comunicado a defender David Beckham, dizendo que nunca viu os e-mails originais, sublinhando que o ex-futebolista dedicou imenso à causa e afirmando ainda estar muito orgulhosa com o desempenho do ex-jogador para com o seu Fundo de Caridade.

Um dos chantagistas, que usará como nome falso Artem Lovuzov, terá sugerido que com uma “generosa doação, pode ter a certeza de que todas as informações serão destruídas”. Uma vez que não existiu qualquer tipo de resposta, o hacker terá afirmado que o deadline para resolver o impasse era até terça-feira, pelas 16h00, caso contrário a informação deixava de estar em segredo.

O alvo será não apenas David Beckham mas também várias outras empresas ligadas ao mundo do futebol, afirma o Mirror. Aliás, David Bekham terá apenas sido apanhado no meio dos vários conteúdos que estavam no e-mail do seu agente publicitário, Simon Oliveira.