Santo António

Tronos de Santo António: das soleiras das portas para as páginas de um livro

O Museu de Santo António lançou o apelo e os lisboetas responderam. Pelo segundo ano, os Tronos de Santo António voltaram a decorar as portas e janelas de Lisboa. E foram todos reunidos em livro.

Patrícia Maio e Margarida Morins, da loja Sr. Oliveira da Figueira & Castafiore, também responderam ao desafio

© EGEAC/Rui Cunha

A convite do Museu de Lisboa — Santo António e da EGEAC, centenas de lisboetas voltaram a meter mãos à obra para dar continuidade a uma antiga tradição da cidade — os Tronos de Santo António. A iniciativa, lançada pelo segundo ano consecutivo, trouxe à rua cerca de 200 tronos que, entre os dias 4 e 5 de junho, enfeitaram portas e janelas um pouco por toda a cidade. À semelhança do ano anterior, os tronos foram fotografados por Rui Cunha e José Frade e reunidos em livro, agora disponível para venda no Museu de Santo António.

“O facto de estarmos a editar um segundo volume deste livro confirma a recetividade e o interesse gerado por um projeto que nasceu de uma ideia simples: reavivar a memória em torno de uma tradição singular que estava há muito esquecida”, frisou Joana Gomes Cardoso, presidente do Conselho de Administração da EGEAC, numa das três pequenas introduções que o livro inclui. No ano passado, o número de concorrentes chegou aos 66. Em 2016, ultrapassou os 200, confirmando assim “o entusiasmo com que os lisboetas aceitaram o desafio”, refere uma nota de imprensa divulgada pela EGEAC.

Num momento em que facilmente nos distraímos pela imensidão de estímulos que constantemente nos rodeiam, é reconfortante voltar a um lugar de simplicidade, em que o mérito decorre do trabalho manual, amador, quase sempre coletivo. E onde as grandes mais-valias produzidas são a generosidade, a partilha e a criatividade”, escreveu a presidente do Conselho de Administração da EGEAC.

Para Joana Gomes Cardoso, é “gratificante constatar que, numa era de globalização e de instantaneidade, ainda há espaço e tempo para um reencontro com o passado e, através dele, para redescobrir a cidade e aqueles que a habitam”. Catarina Vaz Pinto, vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa, que assinou uma das introduções, salientou que “Santo António está vivo, hoje e sempre”, e Pedro Teotónio Pereira, coordenador do Museu de Santo António, falou do “elemento identitário” dos Tronos de Santo António.

Armar o trono de Santo António é um elemento identitário muito forte, tão significativo como o desfile das marchas na avenida ou os arraiais. Pelo Santo António, Lisboa fica mais bonita e os lisboetas mais orgulhosos da sua cidade que ‘tem cheiro de flores e de mar'”, concluiu o coordenador do Museu de Santo António na sua nota introdutória.

Uma tradição muito antiga

Os primeiros Tronos de Santo António surgiram no século XVIII, como uma forma de pedir esmolas para a reconstrução da Igreja de Santo António, parcialmente destruída durante o grande terramoto de 1755. Especialmente populares entre os mais pequenos, eram geralmente colocados à porta de casa, uma tradição que ainda hoje se mantém, marcando o início das festas em honra do santo padroeiro de Lisboa. Em maio, já era possível ver os pequenos altares um pouco por toda a cidade, mas especialmente nos bairros típicos.

Os Tronos de Santo António eram, muitas vezes, obra de muitos. Crianças e adultos reuniam-se na rua e, com o apoio das coletividades, construíam pequenos altares de madeira, cartão, esferovite e até mesmo plástico, com uma pequena figura de Santo António no topo. Em forma de escada, os tronos contavam a história e os milagres do santo casamenteiro. Era quase tudo feito à mão, mas os que tinham possibilidades financeiras recorriam muitas vezes às efeitos pré-feitos — pequenas figuras de chumbo que eram vendidas nas mercearias. Hoje em dia, já não é possível comprá-las (a sua produção foi proibida por causa da toxicidade do chumbo), mas ainda é possível vê-los em alguns antiquários.

Apesar de populares, os Tronos de Santo António começaram, gradualmente, a desaparecer da soleira das portas. No século XIX, já se dizia que a tradição estava a desaparecer. De modo a reavivar a prática, a autarquia começou a promover concursos de tronos entre as crianças dos bairros de Alfama, Bairro Alto, Madragoa e Mouraria, em 1949, mas também esses acabaram por ter o seu fim. Nos últimos anos, era cada vez mais raro ver um trono à porta de uma casa ou à janela de um lisboeta, sendo por isso que o Museu de Santo António e a EGEAC decidiram lançar a iniciativa em 2015.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Santo António

Santo António não era 'santinho' nenhum...

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
534

Santo António de Lisboa, de Pádua e do mundo inteiro, foi um grande santo e um grande sábio, que de ‘santinho’ não tinha nada, pois foi um dos homens mais cultos do seu tempo.

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
1.251

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Inovação

Os Pilares da Digitalização

João Epifânio

Pilar fundamental para o desenvolvimento da economia digital é a capacidade de incluir todos os cidadãos e empresas garantindo condições de igualdade de acesso à informação e a redução da infoexclusão

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)