Rádio Observador

Orçamento do Estado

Portugal em risco de repetir novela das sanções

247

Progresso limitado na correção dos desequilíbrios macroeconómicos excessivos coloca Portugal, Chipre e Itália em risco de serem alvo de processo que pode levar em última análise a multa de 0,1% do PIB

Autor
  • Nuno André Martins

Portugal escapou de sanções por violar as metas do défice o ano passado e terá mesmo reduzido o défice para menos de 3%, mas pode ver-se agora numa novela semelhante à de 2016 se não fizer o suficiente para responder aos desequilíbrios macroeconómicos excessivos. Em última análise, arrisca uma multa de 190 milhões de euros.

O problema é que a economia portuguesa continua a ter desequilíbrios macroeconómicos excessivos, disse esta quarta-feira a Comissão Europeia, e os progressos que fez em torno da sua resolução foram limitados. A repetição da presença na lista dos maus alunos vai valer a Portugal uma análise mais próxima da parte da Comissão, que em maio volta a reavaliar a situação portuguesa. Se Bruxelas entender que Portugal não fez o suficiente, poderá passar o país para a vertente corretiva deste procedimento, o que em última análise levaria a uma sanção de 0,1% do PIB, a tal multa de cerca de 190 milhões de euros.

Isto acontece no mesmo ano em que Portugal deverá conseguir apresentar a Bruxelas um défice perto dos 2,1% do PIB, fundamental para retirar Portugal da mira do Procedimento por Défices Excessivos. Mas se é verdade que deve sair de um, também o é de que se está a arriscar a um segundo. A questão não é tanto os desequilíbrios mas antes a falta de medidas para os resolver.

Portugal está num lote de seis países que a Comissão considera que têm desequilíbrios macroeconómicos excessivos: Portugal, Itália, Chipre, Croácia, Bélgica e França. Mas é colocado num lote ainda mais restrito, o dos países em risco de virem a ser colocados na vertente corretiva do procedimento, que inclui ainda italianos e cipriotas.

Para três países com desequilíbrios excessivos, nomeadamente, Chipre, Itália e Portugal, à luz das fragilidades estruturais persistentes evidenciadas pela análise da IDR [análise aprofundada por país], a Comissão irá rever a sua avaliação em maio, tendo em conta o nível de ambição dos seus Programas Nacionais de Reformas”, pode ler-se no relatório para o conjunto dos países da União Europeia publicado esta quarta-feira.

Foi isso mesmo que Valdis Dombrovskis, vice-presidente da Comissão Europeia com a pasta do Semestre Europeu, disse na conferência de imprensa de apresentação do pacote de inverno, em resposta aos jornalistas.

Esperamos que Portugal apresente um Programa Nacional de Reformas ambicioso e mantenha a continuação das reformas para responder a estes desequilíbrios macroeconómicos excessivos (…). Temos a mesma cláusula rendez-vous que temos para Itália, relativamente à nossa avaliação da posição de Portugal no Procedimento por Desequilíbrios Macroeconómicos Excessivos”, disse o comissário.

Esta cláusula rendez-vous de que fala Valdis Dombrovskis quer dizer basicamente que, devido à natureza persistente dos desequilíbrios, a Comissão irá seguir de forma muito mais próxima Portugal, Chipre e Itália. Os países terão de convencer a Comissão Europeia, com os seus Programas Nacionais de Reformas que deverão enviar para Bruxelas em abril, se estão a fazer o suficiente para corrigir os desequilíbrios.

Se a Comissão não vir progressos suficientes quando fizer a reavaliação da situação destes países em maio, pode então decidir colocá-los na vertente corretiva. Tudo depende dos compromissos que os governos estão dispostos a assumir.

Este procedimento dá à Comissão Europeia uma capacidade de avaliação mais subjetiva porque, ao contrário do procedimento por défice excessivo, não é a incapacidade de corrigir o desequilíbrio que é sancionada, mas sim o facto de os Governos não tomarem medidas adequadas para o corrigir. Daí a importância do Programa Nacional de Reformas e dos compromissos que Valdis Dombrovskis pede a Portugal, Chipre e Itália.

De acordo com as regras, podem seguir-se multas. “As sanções financeiras aos Estados-membros da zona euro estão previstas se falharem repetidamente a implementação de um plano de correção suficiente ou em tomarem as medidas acordadas”.

A possibilidade de a Comissão colocar Portugal no braço corretivo chegou a ser discutida entre o staff técnico da Comissão Europeia no início do ano passado, já depois de aprovado o Orçamento, como forma de garantir que o Governo avançaria com medidas para garantir a meta do défice, apesar de ambos não estarem relacionados.

Portugal acabou por ser sujeito a um processo por sanções ao abrigo do Procedimento por Défice Excessivo, por não baixar o défice para menos de 3% em 2015 como se havia comprometido. Mas os países do euro entenderam, depois de o Governo dar garantias (um valor de cativações que não seria descongelado) de cumprimento da meta do défice no ano passado, não aplicar qualquer multa. Portugal conseguiu também ver cancelada a aplicação da suspensão de parcial de fundos europeus, tal como Espanha (tanto na multa, como nos fundos).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Liderança: um diálogo pai-filho /premium

José Crespo de Carvalho

Podes ter a melhor das intenções, as características pessoais que achas apropriadas ou mais valorizas, a visão e a estratégia para o exercício da liderança. Mas a cultura, se não ajudar, estás morto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)