Rádio Observador

Zara

Dona da Zara compra 1.500 milhões por ano a fornecedores portugueses

O grupo Inditex, dono da Zara e Massimo Dutti e líder mundial da venda de roupa a retalho, compra anualmente cerca de 1.500 milhões de euros a fornecedores em Portugal.

A Inditex tinha no final do ano passado 337 lojas em Portugal

PACO CAMPOS/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O grupo Inditex, dono da Zara e Massimo Dutti e líder mundial da venda de roupa a retalho, compra anualmente cerca de 1.500 milhões de euros a fornecedores em Portugal, país que considera “absolutamente essencial” no seu negócio.

“Portugal é absolutamente essencial naquilo que é a essência do nosso modelo de negócio”, disse esta quarta-feira o presidente da Inditex, Pablo Isla, na apresentação dos resultados de 2016, sublinhando a “qualidade, rapidez e flexibilidade” dos fornecedores portugueses.

Pablo Isla revelou que o grupo compra anualmente “cerca 1.500 milhões de euros” a fornecedores portugueses, que considerou serem um “prolongamento natural” da operação que a Inditex tem em Espanha.

O grupo tem 171 fornecedores em Portugal com 887 fábricas associadas e mais de 46.000 trabalhadores, que não trabalham necessariamente em exclusivo para a Inditex, segundo dados de finais de 2015 fornecidos pela empresa com sede na Corunha (Galiza).

O presidente do maior grupo de vestuário a retalho do mundo recordou que foi na rua de Santa Catarina, no Porto, que foi aberta, em 1988, a primeira loja da Inditex fora de Espanha, “que ainda está em funcionamento”.

O grupo tinha no final do ano passado 337 lojas em Portugal, com as marcas de Zara (67), Zara Kids (16), Pull&Bear (53), Massimo Dutti(41), Bershka (50), Stradivarius (44), Oysho (34), Zara Home (26) e Uterque (6).

Em termos gerais, o presidente da Inditex realçou os “resultados sólidos” que se caraterizaram pelo “forte investimento e forte criação de emprego” em todo o mundo.

Pablo Isla espera para 2017 que o grupo continue a ter grandes oportunidades de crescimento e prossiga com a expansão global do seu modelo integrado de vendas em lojas e ‘online’.

O grupo investiu 1.400 milhões de euros em 2016, principalmente na abertura de novas lojas, renovação de outras, novas tecnologias e logística.

A Inditex anunciou esta quarta-feira lucros de 3.157 milhões de euros no exercício terminado em janeiro, mais 10% do que em 2015.

Segundo a informação enviada esta quarta-feira pela empresa à CNMV (Comissão Nacional do Mercado de Valores espanhola), no exercício fiscal de 1 de fevereiro de 2016 até 31 de janeiro de 2017, as vendas aumentaram 12%, para 23.311 milhões de euros, e o grupo tinha 7.292 lojas em 93 mercados.

No exercício, a Inditex abriu 279 lojas em 56 mercados.

Os resultados operacionais (EBIT) cresceram 9% para 4.021 milhões de euros e a margem bruta 13.279 milhões de euros, 10% superior ao exercício anterior, o que representa 57% das vendas.

As vendas comparáveis (lojas existentes nos dois últimos exercícios) também aumentaram 10% no exercício que terminou a 31 de janeiro último, quando no anterior tinham subido 8,5%.

O resultado antes de impostos, juros, amortizações e depreciações (EBITDA) foi de 5.083 milhões de euros, um aumento de 8% em relação a 2015.

As vendas mundiais por marca também aumentaram no último exercício em relação ao anterior: Zara (15.394 milhões de euros, +13%), Pull&Bear (1.566, +10%), Massimo Dutti (1.630, +9%), Bershka (2.012, +7%), Stradivarius (1.343, +4%), Oysho (509, +13%), Zara Home (774, +16%), Uterqüe (83, +10%).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)