O Governo autorizou a compra de cinco helicópteros ligeiros para substituir a frota de Alouette III da Força Aérea Portuguesa, que opera há mais de 50 anos, no montante de 20,5 milhões de euros.

O despacho, assinado pelo ministro da Defesa, autoriza a compra de cinco helicópteros ligeiros “com opção até mais dois”, incluindo treino, sobresselentes e material de apoio, com o preço base de 20,5 milhões de euros, através de verbas inscritas na Lei de Programação Militar.

Os novos helicópteros deverão estar aptos a garantir a instrução de pilotagem, as missões de busca e salvamento costeiro, o transporte geral e a evacuação sanitária militar. Estes helicópteros deverão também estar equipados para poderem integrar o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais, no âmbito do apoio a missões de interesse público, nomeadamente à Autoridade Nacional de Proteção Civil.

De acordo com o documento, a que a Lusa teve acesso, os encargos com a compra das aeronaves serão distribuídos por três anos, 10 milhões de euros em 2018, sete milhões de euros em 2019 e 3,5 milhões de euros em 2020.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ao serviço da Força Aérea desde a década de 60, os helicópteros Alouette III apresentam esta quinta-feira “um obsoletismo tecnológico decorrente da súbita escassez de componentes no mercado”, não existindo já centros autorizados para grandes inspeções ou uma entidade habilitada a reparar os motores, segundo o despacho de Azeredo Lopes. A substituição destes helicópteros era reclamada há vários anos pela Força Aérea.

Segundo afirmou o ministro da Defesa em agosto passado, o tempo de entrega mínimo de um novo helicóptero é de 12 meses.