Aquecimento Global

Acordo de Paris “é essencial” para combater aquecimento global

A chanceler alemã, Angela Merkel, considerou o Acordo de Paris "essencial" para combater o aquecimento global, apenas algumas horas antes de Trump anunciar a saída do acordo.

CARSTEN KOALL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A chanceler alemã, Angela Merkel, considerou o Acordo de Paris “essencial” para combater o aquecimento global, apenas algumas horas antes de o Presidente dos Estados Unidos se pronunciar sobre a possível retirada do país deste acordo.

“Trata-se, na minha opinião, de um tratado essencial”, declarou Merkel à imprensa em Berlim, sublinhando que a Alemanha continuará “naturalmente” a aplicar as disposições do acordo e que “aguarda agora” a decisão de Donald Trump.

Após semanas de adiamentos, Trump deve pronunciar-se hoje sobre se os Estados Unidos vão ou não honrar as obrigações constantes do acordo sobre o clima (assinado pelo seu antecessor, Barack Obama), perante o olhar preocupado dos outros 194 países signatários deste texto histórico.

Durante a campanha presidencial, o empresário septuagenário prometeu abandonar o documento, em nome da defesa dos empregos norte-americanos na exploração do carvão e na indústria em geral.

Mas muitas vozes se ergueram na comunidade internacional (com a China e a União Europeia à cabeça), no mundo dos negócios e mesmo dentro da sua própria administração, instando-o a rever a sua posição e recordando a urgência de agir perante o aquecimento do planeta já em curso.

O anúncio está marcado para as 15:00 locais (20:00 de Lisboa), a partir dos jardins da Casa Branca.

Apesar de informações filtradas para a imprensa norte-americana sustentarem a ideia de uma saída, a Casa Branca advertiu contra qualquer conclusão apressada.

“Estou a ouvir muitas pessoas, dos dois lados”, assegurou o Presidente norte-americano na quarta-feira à tarde.

O tratado destina-se a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e, assim, limitar o aumento das temperaturas a 1,5 graus centígrados em relação à era pré-industrial.

Antes da chanceler alemã, os responsáveis da União Europeia e da China defenderam hoje o acordo sobre o clima e exortaram o chefe de Estado norte-americano a não o abandonar.

Os primeiros-ministros da Índia e da China, Narendra Modi e Li Keqiang, que se reuniram esta semana em separado com a chanceler alemã, garantiram que os seus países se manterão no acordo independentemente da decisão de Trump.

Os Estados Unidos são o segundo maior emissor de gases poluentes do mundo, a seguir à China, e a sua participação no acordo de Paris é fundamental tanto para travar as alterações climáticas como para financiar as ajudas aos países que mais sofrem os efeitos do aquecimento global.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Os meninos à roda da propaganda /premium

Helena Matos
2.321

O menino que em 2012 chorava porque a mãe não tinha dinheiro para comprar bolachas agora quer salvar o planeta. O que mudou? A cor política do Governo. As bolachas essas continuam iguais. 

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)