Rádio Observador

Festival Eurovisão da Canção

Salvador e a fama: “Sinto-me um animal no zoo”

1.733

Anda a tentar ser pai desde os 20 anos até porque é "contra os preservativos", mas "as miúdas não querem". Por enquanto, Salvador luta contra as selfies e mostra dificuldades em lidar com a fama.

Michael Campanella/Getty Images

Salvador Sobral revelou esta sexta-feira numa entrevista à TVI que está a ter dificuldades em lidar com a fama desde que ganhou o Festival Eurovisão. A sua vitória “acabou ali”. Agora, “procura experiências novas e interessantes”. Mas essa procura tem sido atribulada. Salvador Sobral considera-se um sortudo mas vê o lado negativo de ter vencido o Eurovisão: a invasão de privacidade.

O cantor, que não consegue compreender o conceito de selfie, relembrou um episódio que se passou numa pastelaria onde estava com a sua agente a comer um croissant com queijo. Salvador viu-se obrigado a recusar o pedido de uma senhora para tirar uma fotografia porque estava com “a boca cheia de queijo”. Quando se apercebeu que, mesmo depois de ter recusado, a senhora o começou a filmar, o cantor saltou da cadeira e gritou: “Sou um animal do zoo”.

Para mim é um atentado. Faz parte virem reconhecer o meu talento. Mas não fazem parte as fotografias”, defendeu Salvador Sobral na entrevista à Fátima Lopes.

Salvador, contudo, não é indiferente aos fãs. Dá-lhes autógrafos em concertos e canta para eles. Aliás, o cantor admite que é “muito sensível” e o que cantou sempre foi genuíno. Salvador Sobral diz que percebe o que as pessoas que o ouvem estão a sentir.

Se for verdadeiro aquilo que eu estou a cantar e estou a sentir, as pessoas também vão sentir. Foi que aconteceu na canção do festival”, explicou o vencedor do Eurovisão.

Isso reflete-se na sua presença em palco. Salvador explica que a sua “forma de mexer o corpo pedia música” e a sua música pedia-lhe “para mexer o corpo”. “Nos bailarinos e atores de teatro isso é óbvio, porque é que nos cantores não é?”, questiona-se.

O cantor revelou ainda a Fátima Lopes a sua vontade de constituir uma família e de “tocar pelo mundo”. Mas, por enquanto, o vencedor do festival está focado no presente “incrível” mas que lhe tirou a privacidade que tanto preza.

Salvador quer ter filhos

Salvador Sobral falou também do seu estado de saúde, algo que para o cantor é menos grave do que ficar sem voz. Aliás, Sobral, que sofre de problemas de coração e está neste momento à espera de um transplante, confessa que se lhe fosse dada a oportunidade de ficar bem de saúde mas que se isso implicasse ficar sem voz, preferia continuar como está. Mas não lhe é indiferente. O cantor admite que sonha “muitas vezes com jogar futebol”, que não faz há anos e que adora. “Há tantas coisas boas a acontecer que não se pode lamentar o presente que está incrível”, revelou Salvador.

Está focado no presente mas já pensa no futuro. Salvador Sobral demonstrou a sua vontade de construir uma família, “sair de Portugal, ir para França, Espanha, América Latina”. “Gosto de crianças desde que era crianças”, conta o vencedor. Quer ter filhos e anda a tentar tê-los desde os 20 anos “mas as miúdas não querem”. Salvador Sobral admitiu que é contra o uso de preservativos. Quer “tocar pelo mundo e ter sempre os filhos atrás dele mas teme que isso seja difícil.

Salvador revelou também que não vai ao programa de Jimmy Fallon para uma entrevista. A agenda preenchida do cantor não lhe permite deslocar-se aos Estados Unidos. Salvador ainda tentou fazê-la por Skype “mas os americanos claro que não querem nada disso”. O vencedor não descarta a hipótese de dar uma entrevista a Fallon no futuro.

A entrevista na íntegra de Salvador Sobral a Fátima Lopes será transmitida no próximo sábado logo após ao Jornal da Uma, na TVI.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)