No Verão de 2015, Jorge Jesus montava o plantel do Sporting e pediu mais um central à SAD do Sporting. A equipa estava prestes a viajar para a África do Sul, onde faria um estágio de uma semana, e era importante que essa cara nova fosse fechada o quanto antes, para integrar a comitiva. Entre quinta e sexta-feira, o técnico indicou o nome a Bruno de Carvalho, que estava a tratar dessa pasta. Em menos de 24 horas, ficou tudo feito.

Michaël Ciani, de 31 anos, assinou contrato num sábado, deslocou-se a Itália para ir buscar as suas coisas (tinha estado antes três anos na Lazio), juntou-se na escala a meio da viagem ao plantel verde e branco e seguiu para a África do Sul. Alinhou apenas no primeiro jogo realizado pelos leões, frente ao Ajax Cape Town, tendo ficado mal na fotografia no golo que daria o empate ao conjunto local (é o número 2, para mais fácil identificação). Um mês depois de assinar, rescindiu e rumou a Barcelona, onde representou o Espanyol. Hoje, tem contrato com os franceses do Lorient.

Jérémy Mathieu chegou na semana passada ao Sporting, vindo do Barcelona. Por questões contratuais e burocráticas, foi anunciado que estava num período de testes. Esta sexta-feira, o acordo foi oficializado e o defesa internacional francês assinou por duas épocas com os leões, ficando com uma cláusula de rescisão de 60 milhões. Mas o que nos diz a história sobre os defesas trintões que chegaram ao Campeonato português?

Não é difícil encontrar um caso de sucesso, por ventura o caso de maior sucesso no Sporting, de um defesa trintão que foi contratado e constituiu uma verdadeira mais-valia: André Cruz. O central brasileiro, conhecido não só por ser um patrão da defesa mas também (ou sobretudo) pelos golos marcados e oferecidos de livre, foi resgatado por empréstimo ao AC Milan a meio da temporada de 1999/00 (que tinha começado no Torino), com 31 anos, e teve um papel fundamental para a quebra de um longo jejum de 18 anos sem títulos do clube. Foi também campeão em 2002, no último Campeonato ganho, e com outro trintão ao lado: Phil Babb, internacional pela Rep. Irlanda que veio do Liverpool a custo zero, que teve uma época falhada (2000/01) e outra de sucesso (2001/02) em Alvalade.

Seria preciso esperar mais de uma década para encontrar outro defesa trintão a chegar a Alvalade: João Pereira. Depois da passagem pelo Valencia, o lateral tinha feito meia temporada nos alemães do Hannover mas regressou ao clube pela mão de um ex-treinador, Jorge Jesus, que o tinha orientado no Sp. Braga. Começou a temporada como titular, perdeu o lugar para Schelotto no final dessa época de 2015/16, esteve mais seis meses no Sporting mas acabou por ser vendido para a Turquia, onde representa agora o Trabzonspor.

Já o Benfica apostou três vezes na contratação de defesas trintões, com resultados distintos: em 2002, os encarnados conseguiram ir resgatar Hélder, com 31 anos, ao Deportivo da Corunha (tinha também passado pelo Newcastle, por empréstimo). O internacional português assumiu-se como titular no eixo recuado da equipa, ganhou uma Taça de Portugal e ainda saiu para o PSG, quando tinha 33 anos.

No início de 2004, por forma a colmatar uma visível lacuna no plantel, as águias apostaram em Fyssas, lateral esquerdo grego que se destacou durante uma temporada e meia, ganhando uma Taça de Portugal (frente ao FC Porto de José Mourinho e apontando um dos golos do triunfo) e um Campeonato entre aquela que foi a vitória mais surpreendente da carreira: o Europeu de 2004, onde derrotou Portugal na final… na Luz. Em 2011, e também com um lateral esquerdo, a coisa não correu tão bem: o espanhol Capdevilla, de 34 anos, que estava no Villarreal e tinha sido campeão da Europa e do Mundo pela Espanha, nunca conseguiu ser titular e saiu um ano depois.

Por fim, e olhando apenas para os grandes, o FC Porto foi tendo durante muitas temporadas defesas trintões (Jorge Costa, Pedro Emanuel ou Aloísio, entre outros) mas contratou apenas um jogador acima dos 30 anos desde 2000: Maxi Pereira, então com 31, lateral que passou oito temporadas no rival Benfica antes de chegar ao Dragão a custo zero. Foi titular indiscutível nas duas épocas que fez, e onde não ganhou títulos, mas pode estar agora na porta de saída.