Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os príncipes William e Harry ainda sentem remorsos por se terem apressado a terminar o último telefonema com a mãe. A revelação é feita no documentário da ITV, que assinala os 20 anos da morte de Diana e que será transmitido amanhã, segunda-feira, no Reino Unido.

William e Harry tinham 15 e 12 anos, respetivamente quando a princesa de Gales morreu num acidente rodoviário em Paris, no dia 31 de agosto de 1997.

O duque de Cambridge recorda que se apressou a terminar a última conversa telefónica que teve com a mãe, para poder ir brincar com os primos. Estavam de férias no Castelo de Balmoral, uma das residências da família real.

“O Harry e eu só nos queríamos despedir. Se eu soubesse o que iria acontecer, não teria sido tão blasé. Mas aquele telefonema ainda está bem gravado na minha memória.”, contou William, citado no The Guardian.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Quando soube da morte da mãe, foi como se “um terramoto tivesse atingido a casa”, descreve.

Harry também se lembra da última conversa que teve ao telefone com a mãe, mas não quis adiantar detalhes. “Ela ligou de Paris. Não me lembro propriamente do que eu disse, mas aquilo de que me lembro e do que me vou arrepender provavelmente o resto da vida foi do quão curta foi a chamada.”, afirmou o príncipe, citado pela BBC.

O príncipe disse também que cresceu a achar que “era normal não ter mãe” e que desde a sua morte, só chorou duas vezes: durante o funeral e “provavelmente” mais uma vez desde então. “Há muita mágoa que ainda precisa de ser libertada”.

Os filhos de Diana descrevem-na como “a melhor mãe de sempre”, que também sabia ser uma “verdadeira criança” e que trazia “uma lufada de ar fresco a tudo o que fazia”. E partilham neste testemunho uma série de momentos que viveram com ela.

William recordou o dia em que chegou a casa vindo da escola e tinha três top models à sua espera. “Quando cheguei a casa da escola tinha a Cindy Crawford, a Christy Turlington e a Naomi Campbell à espera no topo das escadas. Eu era um rapaz com 12, 13 anos, que tinha posters delas na parede. Fiquei muito corado e sem saber bem o que dizer.”

O duque disse ainda que fala regularmente da mãe — a “avó Diana” — aos filhos, George e Charlotte.

Harry, por sua vez, revelou o mote que a mãe lhe transmitiu. “Podes ser tão malandro quanto quiseres, só não sejas apanhado”.

Os príncipes esperam que o documentário sirva não só para dar a conhecer “o outro lado” da princesa de Gales, através de depoimentos de familiares e amigos próximos de Diana, mas também permitir que as gerações mais novas fiquem a conhecê-la.

https://www.youtube.com/watch?v=ZXz9NBbgSm4