Começou a penúltima sessão vespertina de finais com os 50 metros livres, às 17h43. Ganhou com o tempo de 21,15, na terceira corrida mais rápida de sempre apenas atrás das marcas de César Cielo e Fred Bousquet, únicos a conseguirem baixar da fasquia dos 21 segundos. O brasileiro Bruno Fratus ficou com a prata (21,17), o britânico Benjamin Proud conseguiu o bronze (21,43).

Regressou meia hora depois, às 18h15, para a final dos 100 metros mariposa. Voltou a ganhar com o tempo canhão de 49,86, muito perto do recorde mundial de Phelps (49,82). O húngaro Kristof Milak terminou na segunda posição (50,62), seguido de Joseph Schoolng (Singapura, 50,83) e James Guy (Grã-Bretanha, 50,83). Em paralelo, tornou-se o primeiro a ganhar os 100 metros livres e mariposa num Mundial.

Ainda havia mais uma final e voltou à piscina às 19h25, para os 4×100 metros livres mistos. Nova vitória, desta feita com novo recorde do mundo (3.19,60), bem à frente da Holanda (3.21,81) e do Canadá (3.23,55). E celebrou, como se tivesse acabado de fazer a primeira prova do dia após uma noite descansada, com os companheiros de equipa, Nathan Adrian, Mallory Comerford e Simone Manuel.

Caeleb Dressel tornou-se o primeiro nadador de sempre a conquistar três medalhas de ouro num só dia no Campeonato do Mundo de piscina longa de natação. E como já antes tinha ganho outras tantas provas (100 metros livres, 4×100 livres e 4×100 estilos mistos), vai encerrar a participação na prova (4×100 metros estilos) com a possibilidade de igualar as sete medalhas de ouro de Michael Phelps em Mundiais. “Foi muito divertido”, resumiu no final de 102 minutos que ficarão para a história da natação mundial.

Mas nem por isso foi a única grande figura do dia: a sueca Sarah Sjöström, que tinha sido de forma surpreendente batida na véspera por Simone Manuel nos 100 metros livres, começou o dia a ganhar a final dos 50 metros mariposa (onde Farida Osman tornou-se a primeira atleta de sempre do Egito a ganhar uma medalha em Mundiais, com um bronze) e bateu na meia-final o recorde mundial dos 50 metros livres, estabelecendo a marca de 23,57. A corrida decisiva disputa-se este domingo e será mais um ponto alto destes Mundiais.

Nas outras finais do dia, Katie Ledecky confirmou o favoritismo nos 800 metros livres, ganhando com 8.12,68 à chinesa Li Bingjie (8.15,46) e à compatriota americana Leah Smith (8.17,22), ao passo que a australiana Emily Seebohm ganhou os 200 metros costas, batendo de novo a húngara Katinka ‘Dama de Ferro’ Hosszu, que ficou com a medalha de prata e não fez a festa a nadar “em casa”.

Entre os portugueses, Guilherme Pina ficou no nono lugar da segunda série de apuramento para a final dos 1.500 metros livres, terminando com o 28.º tempo das eliminatórias, ao passo que Gabriel Lopes foi oitavo classificado da quarta série de qualificação dos 50 metros costas (38.º registo geral), apesar de ter batido o recorde pessoal (26,05).