Rádio Observador

Caso José Sócrates

Escutas a Vara. Mais revelações sobre plano para controlar os media

1.500

Escutas feitas em 2009, quando Vara era administrador do BCP e Sócrates primeiro-ministro, divulgadas pelo jornal Sol, mostram tentativas de influenciar linha editorial e negócios no setor dos media.

As escutas publicadas pelo Sol são de conversas que Armando Vara teve com Joaquim Oliveira em setembro de 2009

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Escutas feitas a Armando Vara, quando era administrador do BCP em 2009, revelam novos pormenores sobre um alegado plano de pessoas próximas de José Sócrates, então primeiro-ministro, para controlar a comunicação social.

O jornal Sol divulga novas escutas feitas em setembro de 2009, quando estava no auge a polémica sobre a tentativa de compra da TVI pela Portugal Telecom. O jornal recorda que as escutas intercecionadas na investigação do caso Face Oculta, pela qual Vara foi condenado, relativas a negócios na área dos media, acabaram por não conduzir à abertura de um inquérito, por decisão do então Procurador-Geral, Pinto Monteiro. Agora, acrescenta o Sol, estas escutas podem ajudar os procuradores da Operação Marquês a provar a capacidade de influência do ex-primeiro ministro, através de pessoas da sua confiança, como Armando Vara.

Uma das escutas centra-se em outro grupo de comunicação Social, a Controlinveste, então dona do Diário de Notícias, JN e TSF. O Sol publica um excerto de uma conversa entre Armando Vara e Joaquim Oliveira, presidente da Controlinveste, em que o ex-dirigente do PS mostra descontentamento em relação a uma manchete prejudicial ao então primeiro-ministro.

“Bela manchete para a causa… F…-se. Pá”, é uma das frases atribuídas a Armando Vara, que reagia a um título, feito com base num relatório da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), onde se dizia que Portugal era um dos países que menos investiam em crianças. Nesta conversa realizada pouco antes das eleições legislativas, Joaquim Oliveira terá garantido que o jornal era favorável ao Governo de José Sócrates. E quando Vara sugere o afastamento do então diretor do DN, João Marcelino, o dono da Controlinveste lembra que tal ficaria muito caro.

À data desta conversa, Armando Vara era vice-presidente do BCP, o principal credor bancário de Joaquim Oliveira.

Para além da tentativa da PT de comprar 30% da TVI — numa altura em que a estação era considerada hostil a José Sócrates por causa da cobertura do caso Freeport — o Sol refere mais conversas em que Armando Vara discute outros grupos de comunicação social. Do outro lado estava Rui Pedro Soares, então administrador da Portugal Telecom, e um dos homens envolvidos no negócio da TVI.

São feitas referências ao papel que a Ongoing de Nuno Vasconcellos poderia assumir como investidora em empresas do setor, como o reforço da posição na Impresa de Pinto Balsemão, dona do Expresso e da SIC, e até a compra do jornal Público.

A Ongoing, que iria a entrar em conflito com Pinto Balsemão por causa da Impresa, ainda chegou a fazer um acordo com a Prisa para comprar 30% da Media Capital, depois da PT sair de cena. O negócio não foi para a frente porque o grupo de Vasconcellos não conseguiu vender as ações que tinha na empresa concorrente, dona da SIC. A dona do Diário Económico acabou por ir para a insolvência em 2015, depois do colapso do banco e grupo Espírito Santo, um dos seus maiores financiadores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)