Cinema

Jerry Lewis: o rei da comédia morreu, viva o rei!

718

Eurico de Barros recorda o último gigante da comédia do cinema americano, actor, realizador, argumentista, produtor e cantor, através de sete dos melhores filmes que dirigiu ou que protagonizou

Jerry em "As Noites Loucas do Dr. Jerryl", de 1963, a sua obra-prima como realizador, onde interpreta também um duplo papel

Autor
  • Eurico de Barros

Martin Scorsese, que dirigiu Jerry Lewis num dos melhores filmes de ambos, “O Rei da Comédia” (1982), é que sabia, quando proclamou que ele é que era “o verdadeiro rei da comédia”. Isto porque Jerry tinha estado em absolutamente todos os sítios onde se fizesse entretenimento e atuado em todos os meios possíveis: no circuito da comédia “stand up” do interior dos EUA, em Las Vegas, no Copacabana e na Broadway, no teatro musicado e nos clubes noturnos, na rádio, na televisão e no cinema, e até nas maratonas televisivas que levava a cabo anualmente para angariar dinheiro para o combate à distrofia muscular. Jerry Lewis reinou em todos os cantos do mundo do espectáculo, e fez sempre rir onde quer que se manifestasse. (Esteve em Portugal pelo menos duas vezes, a filmar, apenas como actor, “Jerry em Londres”, de 1968, e “Jerry, Pescador de Águas Turvas”, de 1969, ambos muito maus. Neste último, fala-se espanhol em Lisboa, o que levou a que a fita fosse vaiada quando passou cá).

Com a sua morte, aos 91 anos, desaparece o último gigante da comédia dos EUA e o derradeiro homem dos sete ofícios do cinema americano – ator, realizador, argumentista, produtor e cantor –, o “nerd” que começou por ser o parceiro alucinado, esganiçado e desconjuntado do suave, composto e romântico Dean Martin nos anos 40 e 50. Para se tornar depois num realizador de farta inventividade formal, imaginação visual e meticulosidade técnica, dirigindo-se a si mesmo em filmes que são rigorosíssimas coreografias de histrionismo e sinfonias de partes gagas, onde demonstra a mais total e exasperante inadequação com o mundo à sua volta. Começando com a dificuldade em estar no mesmo comprimento de onda do seu semelhante (as mulheres em primeiro lugar) e acabando na incompatibilidade com os objetos mais comuns – e nem falemos em tudo o que seja mecânico.

A comédia de Jerry Lewis é a do indivíduo todo ele bem-intencionado e de uma candura comovente, mas irremediavelmente trapalhão e desajeitado, que, quando confrontado com as dificuldades, os absurdos e a dureza da realidade, e com a maldade dos homens e o poder de atração das mulheres, pura e simplesmente perde a cabeça e instala o caos e a destruição onde quer que esteja. Eis uma seleção de 7 filmes onde podemos encontrar o melhor, mais criativo, mais arrojado, mais esfusiante e mais desarvorado Jerry Lewis, o verdadeiro rei da comédia. O rei morreu, viva o rei!

“Um Espada para Hollywood”

de Frank Tashlin (1956)

O último dos muitos filmes que Jerry Lewis fez com Dean Martin nas décadas de 40 e 50, e um dos melhores, porque assinado por Frank Tashlin. Este realizador vindo dos “comics” e do cinema de animação teve uma empatia imediata com Jerry e continuaria a trabalhar com ele depois deste começar a realizar os seus próprios filmes. Aqui, Jerry faz um fã de cinema que ganha um carro num concurso, e Dean um cantor cheio de dívidas que o convence que vive em Hollywood, para onde partem ambos, com o enorme cão daquele. Tashlin carrega na tecla do “slapstick”, com muitos efeitos cómicos saídos directamente dos desenhos animados.

“Jerry no Grande Hotel”

de Jerry Lewis (1960)

O seu primeiro filme como realizador, feito no hotel de Miami onde atuava à noite e rodava de dia. Jerry interpreta um paquete e praticamente não fala (aparece também a fazer de si próprio, satirizando o seu estatuto de “estrela”), envolvendo-se numa série de situações desopilantes em que usa apenas o corpo e as expressões faciais. Nesta fita que é um festival de pantomina dedicado a Stan Laurel, um dos seus ídolos (a personagem de Jerry chama-se Stanley por isso mesmo), Jerry Lewis introduziu o uso do vídeo no “set”, através da colocação de monitores em vários sítios-chave, que lhe permitiam seguir a sua interpretação em tempo real ou vê-la logo depois de cada cena, e corrigi-la, bem como acertar detalhes técnicos.

“O Homem das Mulheres”

de Jerry Lewis (1961)

Escrito com Bill Richmond, seu amigo e habitual colaborador nos argumentos, “O Homem das Mulheres” tem Jerry no papel de um sujeito que sofre um desgosto amoroso e jura nunca mais querer nada com mulheres. Para arranjar logo a seguir um emprego numa residência que só aceita hóspedes do sexo feminino. Jerry fez construir para este filme um dispendioso cenário de quatro andares (que ficou conhecido como a “casa de bonecas”) para representar a residência, e poder assim filmar em estúdio e controlar totalmente o espaço da ação. A fita, que deve muito a Frank Tashlin, cómica e visualmente, é um maná de “gags” de toda a sorte, dos de “slapstick” mais clássicos aos surreais e abertamente absurdos.

“As Noites Loucas do Dr. Jerryl”

de Jerry Lewis (1963)

A obra-prima de Jerry ator/realizador, uma variante cómico-dramática de “O Médico e o Monstro”. Jerry interpreta duas personagens. Julius Kelp, um feioso, desastrado e socialmente incapaz professor universitário, que inventa um soro que o transforma naquilo que ele não é. E Buddy Love, um tipo charmoso, “cool” e engatatão inveterado, e sem pinga de carácter. Jerry Lewis desmentiu que Buddy fosse uma forma de ajustar contas com o seu antigo parceiro Dean Martin, e antes um compósito de várias pessoas odiosas, modernaças e convencidas que tinha conhecido. Há ainda quem interprete Kelp e Love como a forma que Lewis arranjou para expor, caricaturalmente, os dois lados da sua própria personalidade.

“Jerry 8 ¾”

de Jerry Lewis (1964)

Jerry queria que este filme fosse uma continuação de “Jerry no Grande Hotel”, para continuar a minerar as possibilidades cómicas da personagem do mandarete, agora no contexto do mundo do espectáculo. Acabou por pôr a ideia de parte, mas ficaram várias marcas dela no filme, sendo a mais óbvia a personagem de Jerry, o mandarete de um hotel de luxo chamado Stanley, que é a cara chapada um famoso cómico que morreu num desastre de aviação. Temendo ir para o desemprego em peso, a equipa do morto recruta Stanley para se fazer passar por ele, mas o mandarete revela-se — claro! — uma catástrofe ambulante. O filme é um elogio da comédia visual dobrado de sátira cáustica ao “show business”, com Hollywood e a televisão à cabeça.

“Vai Trabalhar, Malandro!”

de Jerry Lewis (1980)

Depois de quase 10 anos sem assinar um filme (desde o famosamente inédito “The Day the Clown Cried”, em 1972, rejeitado pelo seu autor por ter ficado profundamente insatisfeito com o resultado, e do qual só há uma cópia na Biblioteca do Congresso), Jerry rodou esta comédia em que interpreta Bo Hooper, um palhaço que fica desempregado com o fecho do circo onde atuava, e vai viver com a irmã e o cunhado, enquanto procura trabalho. O realizador e ator volta a explorar de forma brilhante o tema da incompatibilidade da sua “persona” cinematográfica com os objetos do quotidiano, que aqui chegam a reagir com hostilidade contra a sua presença, como se pode ver na sequência com o carro na garagem.

“O Rei da Comédia”

de Martin Scorsese (1982)

O melhor papel de todos os que Jerry Lewis interpretou em filmes em que foi dirigido por outros realizadores. Ele personifica Jerry Langford, o jovial e divertido apresentador de um programa de televisão que é uma pessoa brusca, ácida e solitária em privado, e que se vê raptado por Rupert Pupkin (Robert De Niro), um cómico sem piada nenhuma que o venera e quer ser famoso a todo o custo. O tema da dupla identidade de “As Noite Loucas do Dr. Jerryl” volta a surgir em “O Rei da Comédia”, só que num contexto mais realista e mais sinistro. Martin Scorsese não dá um passo em falso nesta sátira negra à cultura da celebridade e á obsessão patológica com os “famosos”, e Lewis é plenamente convincente a fazer de uma projeção de si mesmo, e do seu oposto. Ao ponto de apetecer perguntar: quanto de Jerry Langford haveria realmente nele?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Europa

Falta de confiança  /premium

Manuel Villaverde Cabral

Por todo o lado são cada vez mais os eleitores que se abstêm ou que se viram para os «populistas» que tudo prometem e, até agora, não conseguem mais do que piorar as coisas, aumentando a instabilidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)