Rádio Observador

Zara

E você, também é viciado na Zara?

3.254

Meio mundo já lá comprou pelo menos uma peça, mas há quem tenha um guarda-roupa inteiro. Imaginar a vida sem a Zara é difícil, mas será que se pode tornar um vício?

Há pessoas para quem a marca espanhola é um autêntico vício.

Zara

“Sou uma editora de moda de 24 anos e sou viciada na Zara” — é assim que Lauren Eggertsen se apresenta, num texto publicado em abril deste ano, no site de moda e tendências Who What Wear. A crónica tem tanto de declaração de amor à cadeia espanhola como de ata de confessionário. Ao mesmo tempo que Lauren relata a evolução da sua relação com a marca, justifica as razões pelas quais o seu guarda-roupa não viveria sem ela. “Não tenho vergonha de fazer compras na Zara. Na verdade, tenho aprendido a abraçar este vício peculiar, apesar das críticas frequentemente feitas pela comunidade da moda”, escreve.

Antes de mais explicações, Lauren partilha um conceito que, até então, mantinha só para si, o de obsessive Zara disorder (algo como distúrbio obsessivo Zara). Sentimentos que nasceram há anos, quando chegou à faculdade e teve de procurar as primeiras roupas formais para vestir em entrevistas. “A Zara era mais do que um sítio acessível para comprar roupa. Para mim, era a estética que sempre esperei alcançar quando entrasse na idade adulta — chique, cuidada e moderna”, afirma no mesmo texto.

A mesma versatilidade é salientada por Maria Guedes, autora do blogue Stylista. “Há um magnetismo qualquer que faz com que a pessoa goste de entrar e de se perder um bocadinho. Depois, tem roupa para todas as idades e todos os estilos”, afirma. Versátil, democrática e transversal — todas as opiniões sobre a Zara parecem ser unânimes e mesmo para quem se movimenta dentro do mundo da moda é difícil (para não dizer impossível) passar ao lado deste gigante espanhol. Maria fala por experiência própria — todas as semanas, no blogue, os artigos sobre tendências e as produções fotográficas incluem doses generosas de peças da marca –, mas também pelo que vê nas ruas das grandes capitais da moda. “Vê-se no street style das próprias semanas da moda”, comenta. Num momento em que tudo se mistura, por muito poder de compra que se tenha para usar marcas mais caras, a Zara parece ser a loja de eleição para encontrar aquelas peças statement e trazer para o guarda-roupa as tendências mais passageiras.

A Zara dá-me as tendências que eu quero e as peças de que preciso e se a elite da moda pode usar Zara, então também não tenho de ter vergonha de usar”, continua Lauren Eggertsen.

Olivia Palermo e Alexa Chung, dois ícones da moda frequentemente avistados a vestir peças da marca espanhola. A primeira, chegou a usar peças da Zara na Semana da Moda de Londres. E então? Então, já não é só uma questão de preço. “Acho que mesmo que tivesse um daqueles cartões pretos continuava a fazer compras na Zara.” Quem o diz é Margarida (nome fictício), de 27 anos, para quem “ir tomar café” com uma amiga é uma espécie de nome de código para “ir às compras” à dita loja.

Volta ao mundo em 80 zaras

“Identifico-me com o estilo. É uma loja que consegue cobrir as várias fases da vida de uma mulher, vários momentos da semana e do dia. Conseguimos comprar roupa para ir trabalhar e estar flawless, como diz a Beyoncé. Podemos vestir Zara e parecer que estamos a vestir Zara, mas também podemos vestir Zara sem que ninguém perceba de que marca são as peças”, diz Margarida. Mais do que ter queda para as compras (de roupa, entenda-se), Margarida tem um fraquinho por esta loja. Fala em relações de amizade entre ela e funcionários das três lojas que visita com mais frequência na zona de Lisboa. Alguns, já lhe guardaram peças enquanto os saldos não chegavam.

Nuestra adicta @mapetitesphere luce #TLZ excepto bolso ????

A post shared by Zara Addiction (@zaraaddiction) on

Se vai com amigas, é certo que há festa no provador. Se a companhia for o namorado impaciente, a solução é mesmo fazer sinal a um funcionário de confiança para que o vá distrair para a secção de homem. “Os namorados têm uma relação má com esta loja. O meu já me chegou a dizer que tinha de escolher entre ele e a Zara. Escolhi sempre a segunda opção”, conta. Em época de saldos, os esforços são redobrados. Margarida não é das que vai para a porta no primeiro dia de promoções, antes da loja abrir (não só acontece, como há lojas da Zara que abrem mais cedo nesse dia), mas é menina para passar o site a pente fino, logo à meia-noite e meia. O cenário repete-se sempre que há insónias — aliás, os colegas de trabalho costumam dar pelas noites mal dormidas quando, uns dias depois, chegam as caixas ao escritório.

Em média, Margarida gasta 250€ euros por mês em compras na Zara e a marca representa cerca de 40% do seul closet. Já chegou a fazer um desvio de 50 quilómetros para comprar um vestido que estava esgotado noutras lojas, se bem que é quando viaja em trabalho para outros continentes que a relação com a marca fica ainda mais emotiva. “A zaras são todas iguais, aqui ou na outra ponta do mundo. É um sentimento de confiança numa marca, que é fiel a ela mesma onde quer que esteja. E do ponto de vista do marketing, isso é muito difícil. Acho incrível que tenham criado uma marca que se consegue identificar com pessoas de culturas tão diferentes”, explica.

ZARA heels ⚫️⚪️⚫️⚪️ #zara #heels #polkadots #ootd #fashion #outfit

A post shared by ZARA OBSESSION (@zaraobsession) on

Quando passa duas e três semanas fora, entrar numa Zara é, para Margarida, regressar a um espaço familiar, mas de onde nunca sai de mãos a abanar. Nisto, parece que tem sempre uma estrelinha da sorte, tanto que já chegou a encontrar uma camisa, esgotadíssima em Portugal, em plena Ásia. Recentemente, a mais de 10 mil quilómetros de casa, numa semana, foi à mesma loja todos os dias. Nas compras na Zara, tal como nas viagens intercontinentais, Margarida não prevê abrandamento.

I <3 Zara

Com o primeiro emprego, a relação de Lauren Eggertsen com a Zara intensificou-se. Começou a visitar o site com mais frequência para estar a par das novidades, descarregou a aplicação e as compras por impulso tornaram-se cada vez mais recorrentes. “Foi aí que as pessoas começaram a perceber que esta era oficialmente uma das minhas lojas favoritas (…). O que eu não sabia é que estava a transformar a minha atração pela loja num estilo de vida”, completa. O gosto pela Zara escalou depressa e, pouco depois, o conhecimento que tinha sobre coleções e disponibilidade de stocks saltava à vista. Estava na altura de aceitar que a Zara era vital. Lauren vive bem com isso até hoje.

Provavelmente, gasto muito dinheiro lá, mas a questão é que não posso dar 900 dólares por um par de sapatos quando o dia de pagar a renda continua a ser o mais triste do mês. Mas um par por 50 dólares? Levo três”, admite no texto.

A relação com as compras, em particular com a loja, deixa de ser racional e passa a ser emocional, um cenário que se repete também em Portugal, onde a primeira Zara abriu em 1988, na Rua de Santa Catarina, no Porto. Por cá, o pronto-a-vestir nunca mais foi o mesmo. Sem os excessos de outras “zarómanas”, Maria Guedes lembra-se bem do momentos em que entrou numa Zara pela primeira vez. “Lembro-me de ter 10 anos e de abrir a Zara no CascaiShopping. Foi o meu primeiro contacto com o mundo da moda”, conta.

Sabemos que os preços são acessíveis, que há quase uma loja em cada esquina (na próxima semana, a Zara abre a loja número 60 em Portugal) e que chega a todos os estilos e idades, mas será só isso que explica o fenómeno? “Está sempre em cima das tendências, mas já nem as vai buscar só aos desfiles, vai à rua, ao street style, às redes socais e, às vezes, as interpretações que faz das peças até são mais giras”, defende Maria Guedes. Mas os toques de sofisticação que fazem a Zara distanciar-se de outras lojas do mesmo segmento vão além da roupa. Tal como na estação anterior, a campanha deste outono foi fotografada por Steven Meisel, o mesmo fotógrafo que, nos últimos tempos, trabalhou também para marcas como Moschino, Loewe, Coach e Max Mara.

Campanha de outono fotografada por Steven Meisel. © Zara

Assim, fica difícil resistir ao apelo, mesmo correndo o risco de abrir o guarda-roupa e só ver etiquetas da Zara à frente. “É muito mais interessante misturar, mas quem é que tem tempo e vontade? A maior parte das pessoas não quer estar à procura, por isso, por que não ir à Zara que lança peças novas todas as semanas?”, conclui Maria.

“Envianos tus mejores looks Zareros”

Uma relação com tanto amor como a que une Lauren Eggertsen à Zara tinha de chegar ao Instagram. Em fevereiro, a editora de moda juntou-se a uma amiga para criar a conta The Devils Wear Zara, onde ambas partilham os looks do dia. Têm quase 45 mil seguidores e escusado será dizer de que marca são as roupas. Mas há outras demonstrações de afeto “zareiro”. Zara Outfits (onde se lê a frase “Envianos tus mejores looks Zareros”), Zara Obsession, Zarareando Ando, Zara Addiction — contas de Instagram com dezenas de milhares de seguidores e centenas de imagens que chegam dos quatro cantos do globo, através de hashtags. Portugal não é exceção e também tem uma conta criada por fãs da marca espanhola. É o street style possível num país que, sem a Zara, ficava seminu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Pais e Filhos

Um pai do século XXI

David Gaivoto

Ao longo da minha experiência enquanto pai tenho também aprendido que por vezes são eles que nos educam, por vezes são eles que nos apelam à nossa consciência com a sua gigante e preciosa inocência

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)