Rachas, brilhantes, decotes, vestidos longos e outros curtos. Na passadeira vermelha da 69º edição dos prémios Emmy, que aconteceram este domingo em Los Angeles, houve de tudo um pouco, de tal maneira que é difícil determinar um padrão.

O arranque da cerimónia que pretende distinguir o que de melhor se faz na televisão de ano para ano primou pela diversidade. São exemplo os vestidos monocromáticos que percorreram, sem pudor, uma vasta palete de tons, do vermelho vivo de Nicole Kidman ao rosa choque da mítica Jane Fonda, sem esquecer ainda o amarelo ofuscante da atriz Angela Sarafyan. O Ralph Lauren de Shailene Woodley pintou-se de um verde escuro aveludado e o alaranjado Zac Posen de Viola Davis destacou-se da multidão, de pessoas e de flashes.

A cadeia de cortes clássicos, eleição das atrizes já citadas, foi interrompida com a ousadia de Aril Winter, da série “Uma Família Muito Moderna”, que desfilou com uma dupla racha que facilmente fica na memória. Mais elegante, embora o registo seja idêntico, foi o vestido Ralph & Russo Couture de Jessica Biel e ainda o Galia Lahav de Regina King.

Os brilhantes foram uma das grandes tendências da noite, com Laverne Cox, Anna Chlumsky e Sarah Paulson a competirem, à sua maneira, pelos holofotes. Já no reino das transparências, foram muitos os nomes que, em vestidos mais e menos curtos, mostraram pele e sorrisos — que o diga Leslie Jones.

Em fotogaleria, veja (ou reveja) os vestidos que marcaram mais uma edição dos prémios Emmy.