Foi preciso ir a prolongamento para resolver aquilo que todos achavam que seria um jogo de favas contadas, mas a Austrália conseguiu mesmo eliminar, no prolongamento, a Síria, na segunda mão do playoff de qualificação da zona asiática para o Campeonato do Mundo na Rússia.

Desta forma, o conjunto que voltou a ter em Tim Cahill o seu principal herói ficou apurado para o playoff intercontinental, onde disputará uma vaga no Mundial frente ao quarto classificado da zona da América do Norte e Caraíbas, que sairá entre Estados Unidos, Panamá e Honduras.

Como Assad controla o futebol sírio (e o utiliza na propaganda do regime)

No entanto, e durante sete minutos, a Síria esteve virtualmente qualificada para essa última decisão: logo aos seis minutos, Al Soma (assim descrito pelo site oficial da FIFA, mas também conhecido como Al Somah) inaugurou o marcador. E se já aí se tornou herói de um conjunto que procurava a primeira qualificação para um Mundial, mais seria se o livre direto batido no último lance do encontro não tivesse acertado em cheio no poste da baliza à guarda de Mathew Ryan (que nada podia fazer para evitar o que seria o empate).

https://twitter.com/TopLu28/status/917716743107366912

Pelo meio, houve Cahill, Tim Cahill. Esse mesmo que está a pensar, o médio-ofensivo ou avançado de 37 anos que passou década e meia em Inglaterra entre Milwall (1997 a 2004) e Everton (2004 a 2012) antes de jogar três anos nos Estados Unidos (New York Red Bulls) e mais dois na China (Shanghai Shenhua e Hangzhou Greentown) e voltar ao seu país, sendo agora figura de referência do Melbourne City: depois de ter feito o empate no jogo e na eliminatória logo aos 13 minutos, marcou o golo decisivo a 11 minutos do final do prolongamento, numa altura onde a Síria já estava reduzida a dez unidades por expulsão do médio Al Mawas (94′).

Tim Cahill não deu hipóteses a Ibrahim Alma e bisou para a Austrália frente à Síria (SAEED KHAN/AFP/Getty Images)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Desta forma, ficam encerradas as contas da fase de qualificação asiática: Irão (orientado pelo português Carlos Queiroz), Coreia do Sul, Japão e Arábia Saudita garantiram o apuramento para o Mundial da Rússia, ao passo que a Austrália ficou na quinta posição, estando agora à espera de adversário no playoff. A Síria acabou no sexto lugar, neste caso o primeiro dos últimos. Mas com uma campanha que promete outros voos a breve prazo.