Literatura

Mia Couto classifica novo livro como o seu maior desafio enquanto escritor

159

Mia Couto classifica o seu novo livro, "O Bebedor de Horizontes", como o seu maior desafio enquanto escritor. O livro revela as "falsas diferenças" que dividem os moçambicanos.

Mia Couto considera que a literatura tem o poder de mostrar que as diferenças "são simplesmente superficiais ou circunstanciais"

ANTÓNIO SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Mia Couto classificou, esta quarta-feira, o seu novo livro, “O Bebedor de Horizontes”, como o seu maior desafio enquanto escritor. “Neste percurso de literatura, este é o desafio maior que eu tive”, referiu o autor moçambicano durante a apresentação da obra, em Maputo, numa sessão em que o Presidente da República, Filipe Nyusi, foi um dos oradores.

Mia Couto disse ter ficado esgotado, mas alegre, com o último livro da trilogia “As areias do imperador”, iniciada em 2015 com “Mulheres de Cinza” e depois com “A espada e Azagaia”.

A história da terceira obra gira em torno da prisão, em 1895, de Ngugunhane, último imperador do Império de Gaza, parte de Moçambique e, na altura, bastião da resistência à presença colonial portuguesa.

“Estou a fingir que estou a falar de outras pessoas que já não estão connosco, mas estou a falar de nós próprios. Estou a mentir a dizer que estou a falar do passado, mas estou a falar do presente. É isso que me interessa e foi isso que me entusiasmou a escrever este livro”, referiu.

O livro revela as “falsas diferenças” que dividem os moçambicanos e que hoje “se colocam mais uma vez na história de Moçambique”.

Mia Couto considera que a literatura tem o poder de mostrar que as diferenças “são simplesmente superficiais ou circunstanciais”.

“Não existe uma coisa chamada brancos, negros” ou outras divisões étnicas, “são construções históricas sempre chamadas à pedra quando se trata de fabricar conflitos, fabricar ódios, de sugerir que o caminho não é o diálogo, mas o confronto”, sublinhou.

O escritor referiu que a proposta do livro passa por incentivar cada qual a conhecer melhor o próximo, uma ideia que disse estar personificada na atuação do Presidente da República, Filipe Nyusi.

Mia Couto considerou-o como “uma grande esperança de que Moçambique possa realmente encontrar um tempo seu e ser feliz”, numa alusão ao diálogo com a Renamo, principal partido da oposição, com vista à plena pacificação do país.

Filipe Nyusi subscreveu o apoio ao diálogo, defendendo que haja espaços para “conversar e encontrar soluções para tudo o que é necessário”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)