Política

Socialista João Soares defende que Portas foi talvez “o melhor” ministro da Defesa

2.329

O deputado socialista João Soares defendeu que o ex-líder do CDS-PP Paulo Portas foi "um excelente ministro da Defesa, se não o melhor", elogiando a solução para a OGMA e a compra de submarinos.

CARLOS BARROSO/LUSA

O deputado socialista João Soares defendeu que o ex-líder do CDS-PP Paulo Portas foi “um excelente ministro da Defesa, se não o melhor”, elogiando a solução para a OGMA e a compra de submarinos.

“Foi excelente ministro da defesa, o doutor Paulo Portas, se não mesmo, o melhor”, defendeu João Soares, ‘na escola de quadros’ da Juventude Popular, que começou sexta-feira em Peniche.

João Soares defendeu igualmente, no contexto da ameaça do terrorismo internacional, que a “Rússia tem de ser aliada”, e considerou que “a Crimeia foi sempre russa” e que “a Geórgia é que começou a guerra”.

Estas ideias foram defendidas numa ‘aula’ sobre “Um novo conceito Estratégico de Defesa Nacional e Europeu”, que partilhou com o almirante Macieira Fragoso.

“A compra dos submarinos foi algo de que me orgulho”, declarou, sublinhando que só não é compreensível para “quem não conheça as Forças Armadas, a Marinha, a afirmação no plano internacional que representa” esse tipo de equipamento ao serviço dos militares portugueses.

João Soares considerou que “não pode haver mesquinhez em termos orçamentais”, embora admitindo “asneiras em tempo de vacas gordas”, como um “número exagerado de [viaturas] ‘pandur’ que acabaram por não chegar”.

O deputado do PS na comissão de Defesa Nacional expressou ainda admiração, em sentido elogioso, pela “solução encontrada para a OGMA, com presença do Estado, que já tiveram como consequência a vinda para Portugal de uma fábrica da Embraer, em Évora”.

As antigas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico deram lugar à OGMA, Indústria Aeronáutica de Portugal S.A., que, em 2003 foi privatizada, mantendo o Estado 35% do capital, sendo os restantes 65% detidos pela empresa Embraer.

João Soares defendeu que a primeira ameaça à segurança internacional é o terrorismo internacional e, nesse contexto, é “favorável a que a NATO convide a Rússia” e que aquela aliança militar assumisse mais responsabilidades no combate a essa ameaça.

O deputado socialista frisou que “a Federação Russa teve mais vítimas do terrorismo internacional do que o Ocidente todo junto”.

“A Rússia tem de ser aliada. A única coisa em que a Rússia dá cartas hoje em termos mundiais é nas questões da cibersegurança e da ciberintervenção, como se viu nas eleições americanas e quase se viu nas francesas”, sustentou.

Relativamente a conflitos recentes envolvendo a Rússia, João Soares começou por defender que “a Crimeia é uma história mais contada”.

“A Crimeia sempre foi russa e sempre teve uma importância estratégica fundamental para a Rússia”, afirmou, acrescentando que “não morreu um único ucraniano, nem sequer de ataque cardíaco” durante a anexação daquele território ucraniano pela Rússia.

Quanto à Geórgia, salientou que “quem começou a guerra [com a Rússia] foi a Geórgia”.

João Soares sublinhou que “a Federação Russa não é a internacional socialista”, e defendeu a aproximação à Rússia, mesmo considerando que “o senhor Putin tem uma biografia pessoal que não é uma história para se contar às crianças para dormirem facilmente”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos
1.762

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)