Cinema

“A Hora Mais Negra”: o Churchill de Gary Oldman é melhor que o filme que o retrata

O rigor histórico mistura-se com as simplificações do entretenimento de massas na fita de Joe Wright sobre a nomeação de Churchill como primeiro-ministro. Eurico de Barros dá-lhe duas estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

Em 1929, de visita a Hollywood, Winston Churchill foi convidado pelo milionário e magnata da imprensa William Randolph Hearst para a sua mansão de San Simeon (anos mais tarde, Churchill sairia a meio de um visionamento privado de “O Mundo a seus Pés”, de Orson Welles, baseado na figura de Hearst, chamando-lhe “uma maçada”). O futuro primeiro-ministro inglês travou ali conhecimento com o seu compatriota Charlie Chaplin. Ficaram logo amigos. Churchill disse que Chaplin era “um cómico maravilhoso, bolchevista em política e encantador de conversa”, e a páginas tantas propôs-lhe que fizessem um filme sobre a juventude de Napoleão Bonaparte, com ele a escrever o argumento e o criador de Charlot a realizar e interpretar o papel principal. A ideia não foi para a frente, mas podemos fantasiar à vontade sobre o filme que teria saído daquelas duas cabeças.

[Veja Winston Churchill com Charlie Chaplin:]

Winston Churchill gostava de cinema. Não só dos filmes cómicos de Chaplin, mas também de melodramas como “Vitória Negra”, com Bette Davis, de grandes produções históricas americanas e inglesas como “E Tudo o Vento Levou” ou “A Batalha de Trafalgar”, com Laurence Olivier no papel de lorde Nelson, e de “westerns”. Mesmo apesar do seu colossal ego, Churchill não deveria fazer ideia que, no futuro, viria a ser interpretado, no cinema e também na televisão, por alguns dos maiores e mais distintos actores britânicos: Richard Burton, Albert Finney, Michael Gambon, Robert Hardy, Brian Cox, Bob Hoskins ou Timothy West. E ter-lhe-ia agradado saber que todos esses filmes, telefilmes e séries seriam apologéticos, elogiosos, lisonjeiros, no essencial conformes ao cliché consagrado do “velho buldogue” que teve a coragem de enfrentar Hitler quando o resto da Europa se submetia a ele ou se agachava.

[Veja Albert Finney no papel de Churchill:]

Se queremos encontrar uma visão crítica e contrária à visão admirativa e icónica de Winston Churchill – sobretudo do Winston Churchill no poder durante a II Guerra Mundial — não é no cinema que a devemos procurar, mas nas obras de historiadores e autores como John Charmley, Patrick Buchanan, David Irving ou Peregrine Worsthorne, entre outros. A demonstrá-lo mais uma vez, e de forma edificante e grandiloquente, está o novo filme sobre Churchill, “A Hora Mais Negra”, de Joe Wright. Ele acompanha a sua nomeação para primeiro-ministro, em Maio de 1940, após a demissão de Neville Chamberlain, e os dias em que Churchill (Gary Oldman) teve que remar contra a maré do seu próprio partido, cujos membros mais influentes não o achavam o homem ideal para o lugar face ao avanço Europa adentro da máquina de guerra alemã, enquanto lidava com a evacuação das tropas inglesas de França, amontoadas em Dunquerque.

[Veja o “trailer” de “A Hora Mais Negra”:]

A fita é uma amálgama empolada e laboriosa de factos históricos, deturpações da realidade, simplificações dramáticas e fantasias absurdas (a certa altura, Wright põe Churchill a sair do carro e, sem comitiva nem segurança, a apanhar o Metro – coisa que nunca fez na sua vida -, onde sonda o povo anónimo sobre se deve discutir a paz com Hitler ou enfrentá-lo e tem uma resposta unânime pelo confronto– isto quando parte considerável da opinião pública britânica, e não só da classe política, torcia o nariz à guerra), ora dando uma no cravo da verdade factual, ora outra na ferradura da sua distorção (por exemplo, o primeiro-ministro não estava sozinho, no Gabinete de Guerra, na sua oposição a uma negociação com a Alemanha).

[Veja a entrevista com o realizador Joe Wright:]

Se a invenção de uma secretária particular jovem, bonita e sensível (Lily James) se aceita para fins de “humanização” de Churchill, já a promiscuidade entre verdade e ficção no argumento (de Anthony McCarten, que já em “A Teoria de Tudo” tomou liberdades com a vida intima de Stephen Hawking) faz de “A Hora Mais Negra” um filme pouco fiável, em que o rigor histórico é sacrificado às simplificações do entretenimento de massas. O estilo rebuscado e bombástico de Joe Wright, que usa e abusa do “ponto de vista de Deus”, quer filme um bombardeamento alemão, quer a Câmara dos Comuns, e recorre a a uma banda sonora a condizer, também não ajuda. É como se ele nos estivesse constantemente a lembrar, por imagens solenemente iluminadas e notas musicais grandíloquas, que estamos a ver H-I-S-T-Ó-R-IA feita por U-M-G-R-A-N-D-E- H-O-M-E-M, em maiúsculas bem soletradas, no caso de não o percebermos bem.

[Veja a entrevista com o actor Gary Oldman:]

Gary Oldman foi uma escolha curiosa para fazer de Winston Churchill, sobretudo porque o seu aspecto físico não qualificaria o homem que já interpretou Sid Vicious para encarnar o então já anafado e idoso primeiro-ministro. Mas a maquilhagem e os enchimentos tratam de parte desse problema, e a interpretação de Oldman, apesar de ter muito de “isco de Óscar”, é o melhor que fica de “A Hora Mais Negra”. O actor dispensa a imitação suada dos trejeitos físicos, faciais e vocais de Churchill, bem como o lugar-comum do exibicionismo da inflamada retórica churchilliana a que recorreram vários dos seus antecessores no papel, interpretando-o com mais contenção nas sequências públicas e, em privado, pondo-o a expressar-se entredentes e murmurando, como se estivesse a rezar ou falasse com os seus botões. Tal como o próprio Churchill fazia, segundo os testemunhos de vários dos que lhe foram próximos nesta altura. E Oldman apanha também o “actor” (por vezes cabotino) que havia nele.

[Veja uma sequência do filme:]

Seria injusto falarmos apenas do Churchill de Gary Oldman sem referirmos os versatilíssimos Ronald Pickup e Stephen Dillane, actores com enorme experiência do palco, da tela e da televisão, aquele num Chamberlain semi-cadavérico, este num lorde Halifax caído num transe de defesa sincera e desesperada da paz. E ambos, ao invés de Oldman, são as caras chapadas dos homens que interpretam. Se “A Hora Mais Negra” fosse um teste de História, Joe Wrigh tinha um Suficiente Menos. E os actores um Bom Mais.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)