Moda

Morreu Hubert de Givenchy, designer da elegância parisiense

A morte foi confirmada pelo companheiro, Philippe Venet. O estilista francês ajudou a imortalizar o estilo de celebridades como Audrey Hepburn e Jackie Kennedy.

AFP/Getty Images

Morreu esta segunda-feira o estilista francês Hubert de Givenchy. A morte foi confirmada à Agência France Press (AFP) pelo companheiro e designer Philippe Venet. “É com grande tristeza que informamos que Hubert Taffin de Givenchy morreu”, disse.

A Casa de Givenchy, da qual o estilista foi fundador, também já reagiu. Na rede social Twitter foi publicada uma nota onde o designer é considerado “uma grande personalidade no mundo da alta-costura francesa”, mas também o “gentleman” que simbolizou a elegância parisiense durante mais de 50 anos. “Ele fará muita falta.”

O aristocrata e designer francês Hubert de Givenchy fundou a casa de moda que lhe levou o apelido emprestado em 1952, com a colaboração do estilista espanhol Cristóbal Balenciaga. No currículo leva o título de primeiro designer a criar uma gama de pronto-a-vestir de luxo, mas também reconhecimento por ter “revolucionado a moda internacional”, tal como assegura, em comunicado, a marca que nasceu às suas mãos. Foi Givenchy quem, segundo o The Guardian, definiu e moldou a essência chique dos anos 50 e 60 e que ainda hoje influencia a forma como a rainha Isabel II se veste — entre outras figuras de alto gabarito.

Grace Kelly, Elizabeth Taylor, Jackie Kennedy e a musa de sempre, Audrey Hepburn, renderam-se em vida ao talento e corte de Givenchy. Kennedy foi particularmente fiel aos looks do designer durante os anos em que esteve na Casa Branca e Hepburn chegou a dizer: “As roupas dele são as únicas em que me sinto eu própria. Ele é mais do que um couturier, ele é um criador de personalidades”.

Foi precisamente a amizade de 40 anos com Hepburn — atriz que conheceu no set de “Sabrina”, em 1953 — que o ajudou a tornar-se numa lenda da moda. Givenchy ficou particularmente famoso pelo vestido preto que aparece em grande destaque logo no começo do filme “Boneca de Luxo”, de 1961, também ele protagonizado por Hepburn.

Em 1995, o estilista francês fazia desfilar as suas últimas peças na passerelle do então chamado Grand Hôtel de Paris. Depois de se retirar da posição de diretor executivo da marca, a empresa foi vendida ao grupo LVMH. Givenchy sempre se considerou um “eterno aprendiz” e atribuiu o contínuo sucesso à amizade, recorda o jornal O Globo.

Em 2014, aos 87 anos de vida e tantos outros de carreira, Givenchy selecionou as criações que marcaram presença no museu madrileno Thyssen-Bornemisza, com base nas próprias recordações. À data, o espanhol El País escrevia que a exposição tinha um cariz muito mais emocional do que académico, chegando a converter-se num ato de amor ao ofício. Um feito raro pelo facto de ser um criador da “era dourada da alta-costura” a escrever o seu testamento: “É incomum que o próprio designer decida como quer ser recordado”.

Givenchy, o criador de ícones de estilo e famoso pelo “little black dress”, tinha 91 anos. Morreu no sábado enquanto dormia. 

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)