Ténis

Del Potro impõe em Indian Wells primeira derrota do ano a Federer

Jogo equilibrado só foi decidido no ‘tie break’ do terceiro set. Argentino, que é o número oito do mundo, impôs a primeira derrota do ano a Roger Federer.

JOHN G. MABANGLO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O tenista suíço Roger Federer, líder do ‘ranking’ mundial, foi este domingo derrotado na final do ATP 1.000 de Indian Wels, onde sofreu a primeira derrota do ano e sétima da sua carreira frente ao argentino Juan-Martín Del Potro. O histórico era claramente favorável a Federer, mas o suíço entrou mal no encontro, e acabou por sair derrotado por 2-1, 6-4, 6-7 (8-10) e 7-6 (7-2), com dois dos três ‘sets’ a serem decididos no ‘tie break’.

Roger Federer perdeu o primeiro parcial por 6-4, cedendo o serviço no quinto jogo, e no segundo ‘set’, sem que qualquer um dos jogadores perdesse quando servia, empatou o encontro já num ‘tie break’, que se prolongou até 10-8. No parcial final a decisão foi levada novamente ao ‘tie break’, mas apenas após o argentino ‘salvar’ três bolas de encontro de Federer, quando o suíço servia para o 6-4 e num ‘set’ que viria então a conseguir até ao ‘tie break’.

Nessa discussão, Del Potro ganhou novo ânimo — depois de o encontro ter estado praticamente nas ‘mãos’ do suíço — e foi mais forte, conseguindo o triunfo ao seu terceiro ‘match point’. O argentino, que é oitavo na hierarquia mundial, impôs a Federer a primeira derrota do suíço em 2018 – tinha uma sequência de 17 encontros vitoriosos -, e somou o 22.º título na sua carreira, depois de este ano já ter vencido em Acapulco.

Del Potro, que conquistou ainda o primeiro Masters 1.000 da sua carreira, torna-se também o primeiro argentino a vencer em Indian Wells e o primeiro sul-americano desde Marcelo Ríos, em 1998. Quanto a Federer, já tinha vencido este ano o Open da Austrália, primeiro torneio do Grand Slam, e o torneio de Roterdão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)