ANTRAL

Táxis. ANTRAL vai apresentar queixa contra secretário de Estado e ministro do Ambiente

A ANTRAL, que representa os taxistas, anunciou que vai pôr uma "queixa" contra o secretário de Estado e o ministro do Ambiente. Em causa a regulamentação de plataformas como a Uber e a Taxify.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A associação ANTRAL anunciou esta terça-feira que vai apresentar “uma queixa” judicial contra o secretário de Estado e o ministro do Ambiente por “promoverem o risco dos cidadãos” ao permitirem o funcionamento das plataformas eletrónicas de transporte sem regulamentação apropriada.

A Associação Nacional de Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), que representa taxistas, não especificou qual o tipo de queixa que vai apresentar contra o ministro João Matos Fernandes e o secretário de Estado José Mendes, nem quando será entregue.

“Estamos fartos de ser denegridos por este senhor secretário de Estado. O ministro tem de tomar uma posição”, disse, em conferência de imprensa, em Lisboa, o dirigente da ANTRAL, Florêncio Almeida. A associação considera que os dois governantes “estão a pôr em causa a segurança das pessoas”.

“O que nós vamos fazer é mover um processo contra o senhor secretário de Estado e o senhor ministro do Ambiente por estarem a lesar constantemente os interesses públicos e permitirem que se mantenha o risco para a segurança rodoviária”, explicou Florêncio Almeida.

O dirigente da ANTRAL destacou ainda a diferença que existe atualmente entre a formação que é exigida aos taxistas e aos motoristas de transporte de passageiros em veículos descaracterizados.

“Nós somos profissionais e estamos documentados para exercer essa atividade enquanto os das plataformas não estão. Os [motoristas] ilegais crescem todos os dias com a proteção do Estado”, apontou.

Já em dezembro do ano passado a Federação do Táxi exigiu a demissão do secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, depois de, em declarações ao jornal Expresso, ter defendido o perdão de quatro milhões de euros em multas às plataformas eletrónicas de serviço de transporte Uber e Cabify.

A ANTRAL assumiu ainda esta terça-feira que tem novos protestos programados, mas não indicou quais.

A comissão parlamentar de economia aprovou na passada quarta-feira, na especialidade, um texto sobre as plataformas eletrónicas que reúnem operadores de transportes em veículos descaracterizado.

A proposta do Governo para regulamentar a atividade de plataformas como a Uber, Cabify, Taxify e Chofer deu entrada em janeiro de 2017 no parlamento e foi discutida em 17 de março desse ano em plenário, tendo baixado à comissão para debate na especialidade sem votação.

A votação na especialidade foi adiada duas vezes potestativamente nas últimas três semanas, primeiro pelo PS, a 22 de fevereiro, para alcançar “consensos”, e depois pelo PCP, com o apoio de BE e PAN, em 08 de março, por forma a permitir analisar com mais tempo as propostas que PSD e PS entregaram no início dessa reunião, após “48 horas” de “diálogo”.

O setor do táxi defendeu desde sempre que a lei que viesse regulamentar a atividade de transporte de passageiros em veículos descaracterizados abordasse a contingentação, num modelo perto daquele que é seguido pelos táxis, mas este ponto que não foi aceite pela maioria dos partidos.

Só o PCP e o BE defendiam a fixação de contingentes pelos municípios para estas viaturas e com uma periodicidade não inferior a cinco anos, indo de encontro às reivindicações da Federação Portuguesa do Táxi e da ANTRAL, que não abdicam da contingentação.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)