Ciência

Café e chá em quantidades moderadas podem ajudar a evitar arritmias cardíacas

Estudo científico diz que aquelas bebidas são seguras para pessoas com problemas de coração. Quanto às bebidas energéticas, defende que as pessoas com problemas cardíacas não devem consumi-las.

SALVATORE DI NOLFI/EPA

O consumo moderado de café e chá pode evitar as arritmias cardíacas, segundo um estudo científico publicado esta segunda-feira, em que se defende que aquelas bebidas são seguras para pessoas com problemas de coração. Uma chávena de café contém cerca de 95 miligramas de cafeína que estimula o sistema nervoso central e que quando entra no corpo pode bloquear os efeitos da adenosina, uma substância que favorece o tipo de arritmia mais comum, a fibrilação atrial.

Os autores da investigação, publicada no boletim Clinical Electrophysiology, basearam-se em estudos anteriores em que foram analisadas centenas de milhares de pessoas e verificaram que com o aumento do consumo de cafeína diminui entre 6% e 13% a frequência das arritmias. “Existe a perceção pública de que a cafeína desencadeia problemas do ritmo cardíaco, mas a nossa investigação sugere que não é assim”, disse o principal autor do estudo, Peter Kistler, diretor de eletrofisiologia no hospital Alfred e no Instituto Baker do Coração e Diabetes, em Melbourne, na Asutrália.

Os investigadores concluíram também que a cafeína não provoca arritmias ventriculares, mesmo em doses até 500 miligramas por dia. Só um consumo na ordem de nove ou dez chávenas de café por dia mostrou um aumento do risco de arritmia ventricular. “Em vários estudos, pessoas que consomem regularmente café e chá de forma moderada têm um risco mais baixo de ter problemas no ritmo cardíaco”, afirmou Peter Kistler.

Quanto às bebidas energéticas, defendem que as pessoas com problemas cardíacas não devem consumi-las, apontando que uma só bebida pode ter entre 160 a 500 miligramas de cafeína concentrada e que três quartos dos doentes cardíacos que beberam duas ou mais por dia queixaram-se de palpitações.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Transgénero

Os Super-Homens legisladores

Pedro Afonso
1.207

Não existe qualquer base científica ou justificação médica que autorize um adolescente de 16 anos, cujo córtex pré-frontal ainda não está completamente desenvolvido, decidir livremente mudar de género

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site